Notícias

ITR: Entenda mais sobre este imposto

22 de abril de 2013
Conhecido dos produtores rurais, o Imposto sobre a propriedade Territorial Rural (ITR), regulado pela Lei n. 9393/96, deve ser pago anualmente por aquele enquadrado como proprietário de área rural, como titular de domínio ou, ainda, como possuidor.
 
Trata-se de tributo de competência da União, cuja responsabilidade pela informação dos dados e pelo recolhimento do valor devido é do contribuinte (lançamento por homologação), cabendo à Receita Federal a pertinente fiscalização e a cobrança dos créditos. A chamada base de cálculo do imposto (valor sobre o qual incide a alíquota devida) é determinada de acordo com a área do imóvel e seu respectivo grau de utilização.
 
Assim, quanto menor a área e maior o grau de utilização, menor a alíquota do imposto. Ao contrário, quanto maior a área e menor o grau de utilização, maior a alíquota. Segundo tais critérios, a alíquota pode variar de 0,03% até 20% a incidir sobre o valor da terra nua, ou seja, sem benfeitorias, e deve refletir o respectivo valor de mercado declarado pelo contribuinte a ser atualizado anualmente. Tal valor pode ser objeto de investigação e adequação por parte da Receita.
 
Não há incidência do imposto sobre pequenas áreas rurais quando exploradas em regime familiar por contribuinte que não possua outro imóvel. Nessas condições estão, portanto, isentas áreas inferiores a I - 100 ha, se localizadas em município compreendido na Amazônia Ocidental ou no Pantanal mato-grossense e sul-mato-grossense; II - 50 ha, se localizadas em município compreendido no Polígono das Secas ou na Amazônia Oriental e III - 30 ha, se localizadas em qualquer outro município.
 
Ponto de discussão centrou-se na questão da incidência do imposto também sobre as Áreas de Preservação Permanente (APP) e Área de Reserva Legal (RL), o que já está expressamente previsto na atual legislação de acordo com as disposições do novo Código Florestal.
 
Contudo, pelo atual posicionamento do Superior Tribunal de Justiça (STJ) é necessária a averbação da Reserva Legal junto ao Cartório de Registro de Imóveis (CRI) para que seja reconhecido o direito do contribuinte à respectiva isenção.
 
Por outro lado, o próprio Código Florestal desobriga a averbação junto ao CRI ao mesmo tempo em que obriga a declaração junto ao Cadastro Ambiental Rural. Assim, atingindo o mesmo fim, seja por meio do registro junto ao CAR ou junto ao CRI, o contribuinte não poderia ser penalizado.
 
A Receita Federal determina, por meio de simples instrução normativa (que não tem força de lei), a necessidade de apresentação do chamado Ato Declaratório Ambiental (ADA) para fins de reconhecimento das citadas áreas ambientais não tributáveis, o que já foi objeto de censura, uma vez que já bastaria a averbação junto ao CRI, conforme entendimento do STJ.
 
Obviamente que, a fim de evitar problemas de tributação que podem levar a autuações por parte da União, o contribuinte deve procurar seguir as orientações e instruções repassadas pela Receita Federal (desde que não sejam ilegais) (disponível em www.receita.fazenda.gov.br e www.ibama.gov..br), buscando profissionais que orientem corretamente na necessária prestação de contas. No mais, havendo necessidade, o contribuinte pode e deve procurar defender-se administrativamente e, se necessário, até judicialmente.

Fonte: BeefPoint
Voltar Imprimir
Deixar um comentário
Nome
Comentário
 

Notícias recentes

Pecuaristas de Barretos (SP) vendem gado vivo para a Turquia 23 de janeiro de 2018 Criadores de gado estão encontrando um bom filão de negócios no mercado turco. Os animais são exportados vivos. Para isso, é preciso seguir uma s...
Queda no mercado atacadista estreita a margem dos frigoríficos 23 de janeiro de 2018 A demanda fraca desde o início do ano se intensificou ao longo da última semana e o reflexo disso foi mais pressão sobre a cotação da arroba do b...
Mapa autoriza redução da dose da vacina contra aftosa 23 de janeiro de 2018 A Instrução Normativa nº 11 do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), publicada no Diário Oficial desta segunda-feira (...
JBS: pecuarista será restituído da diferença de Funrural de janeiro 22 de janeiro de 2018 A JBS informou nesta segunda-feira, 22, que vai restituir pecuaristas que tiveram seus animais abatidos pela empresa no período do primeiro dia útil...
Carne bovina: vendas fracas no varejo e mercado pressionado 22 de janeiro de 2018 A situação é de vendas ruins, embora os movimentos de baixa sejam menos intensos no varejo do que no atacado, como já vinha ocorrendo em 2017.A co...
Frigoríficos testando o mercado 22 de janeiro de 2018 No fechamento da última sexta-feira (19/1) o cenário foi de um viés baixista. Das trinta e duas praças pecuárias pesquisadas pela Scot Consultori...
Com maior oferta, preço do milho recua na maioria das regiões 22 de janeiro de 2018 A maior disponibilidade interna tem pressionado os valores do milho em muitas regiões acompanhadas pelo Cepea nos últimos dias. A queda está atrela...


Foto: Eraldo Filho / Via Livre