Notícias

JBS inicia demissão em massa com 200 desligamentos na capital

23 de março de 2011

O frigorífico JBS iniciou ontem (21) uma demissão em massa de trabalhadores nas suas unidades localizadas em Campo Grande. Na unidade do antigo Bordon, na saída para Aquidauana, os trabalhadores demitidos já somam 80. Na unidade II do grupo, antigo Bertin, que fica na saída para Sidrolândia, as demissões já teriam alcançado 100 trabalhadores. Segundo os funcionários desligados, foi dito que demissões devem ocorrer, podendo chegar a 500. Os demitidos foram comunicados que receberão 3 cestas básicas, como “ajuda” até que encontrem outro emprego.

Segundo o presidente da União Geral dos Trabalhadores de MS (UGT-MS), Fábio Bezerra, a empresa não cumpriu o que estabelece a lei nos casos de demissões coletivas, que devem ser precedidas de negociação.

Segundo trabalhadores demitidos na unidade I (antigo Bordon), foi passada a informação que a chamada “área fria” do frigorífico, onde é feita a desossa, será desativada. Dessa forma, a unidade fará apenas o abate dos bois e a desossa será feita na unidade II do grupo em Campo Grande, que, segundo sindicalistas da UGT, foi comprada do grupo Bertin com dinheiro do BNDES.

Monopólio e dinheiro do BNDES – Fábio diz que a demissão em massa por si já merece repulsa, “mas o fato se torna mais revoltante se levarmos em conta que o grupo JBS recebeu dinheiro do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) para fazer investimentos. O sindicalista aponta uma contradição entre o discurso do governo federal, que afirma que os investimentos do BNDES são para gerar emprego e renda, com a realidade, onde o maior grupo produtor de carne do mundo recebe incentivos para em seguida fazer demissão em massa.

Para o sindicalista, os investimentos do governo federal no setor de frigoríficos precisa ser revisto. “Hoje temos em Campo Grande duas plantas frigoríficas fechadas, casos do Independêndia e Frangovit, além de outras unidades paradas no interior do estado”. Para ele, esses investimentos não podem estimular o monopólio, que leva à concentração no setor e demissões como estas que estão ocorrendo agora.

Fábio denuncia também que a empresa está se aproveitando das demissões para promover ação anti-sindical, desligando trabalhadores que fazem parte da chapa de oposição. “As eleições estão suspensas por determinação judicial e agora a empresa demite membros da chapa de oposição. Isso é uma clara manobra anti-sindical e vamos denunciar no Ministério Público”.

O candidato a presidente da chapa de oposição, Joel Silva Campanha, trabalhador da desossa, é um dos demitidos. Ele afirma que os trabalhadores foram pegos de surpresa, sem nenhum aviso prévio. “Só fomos comunicados”. Ele questiona sobre como ficará a situação dessas centenas de famílias. Ele considera a ação do grupo JBS como uma irresponsabilidade social, feita com dinheiro do BNDE. “O monopólio no setor da carne deu nisso”, conclui.

 

Voltar Imprimir
Deixar um comentário
Nome
Comentário
 

Notícias recentes

Após 8 anos livre, Colômbia detecta foco de aftosa 26 de junho de 2017 A Colômbia registrou seu primeiro foco de febre aftosa desde 2009, quando o país foi declarado livre da enfermidade que afeta o gado. O caso pode im...
"A JBS manipula o mercado nos Estados Unidos", diz carta de associação 26 de junho de 2017 “Se as acusações estiverem corretas, então a JBS zombou das leis dos Estados Unidos. Se construiu seu império utilizando meios ilegais, ele ...
Carne brasileira teme novas restrições estrangeiras 26 de junho de 2017 Os próximos dias serão tensos para a cadeia da carne brasileira. O setor torce para que mercados com mais peso, como o Japão e a União Europeia, p...
É improvável que vacina cause abscesso em carne, diz indústria veterinária 26 de junho de 2017 Não é provável que a vacina seja a causa de abscessos encontrados pelo governo dos Estados Unidos na carne brasileira, problema este citado como um...
Carne do Brasil não oferece risco aos EUA, diz governo; vacina em xeque 26 de junho de 2017 Os problemas apontados pelos Estados Unidos em relação à carne brasileira não oferecem risco à saúde pública e há indicações de que os absce...
Pecuaristas gastam até 600 milhões por ano com vacina da aftosa 26 de junho de 2017 Sebastião Guedes, vice-presidente do Conselho Nacional de Pecuária de Corte (CNPC), afirma que o embargue de carne brasileira pelos Estados Unidos, ...
Formação de abscessos pode estar relacionado a problemas de manejo, afirma pecuarista 26 de junho de 2017 A formação de abscessos, principal argumento utilizado pelo governo norte-americano para suspender a importação de carne in natura do Brasil, pode...