Notícias

Crise entre EUA e Irã deve ser acompanhada com cautela, diz Tereza Cristina

10 de janeiro de 2020

Os possíveis impactos da crise entre Irã e Estados Unidos nas exportações brasileiras devem ser acompanhados com cautela. “Está muito cedo ainda, é um momento tenso para o mundo todo, mas isso ainda não nos afetou”, afirmou a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina. O Brasil é o maior exportador de milho para o Irã: as vendas somam cerca de US$ 1 bilhão, correspondente à metade da balança comercial entre os dois países.

A ministra reconhece que há uma apreensão, em virtude do cenário internacional, entre os agricultores brasileiros, que exportam ainda soja e farelo, carne bovina, açúcar, entre os principais produtos.  “Nós não podemos misturar mercado e agricultura com a parte de defesa nacional”, disse Tereza Cristina, que esteve nesta quinta-feira (09) em Patos de Minas, cidade mineira grande produtora de milho, para participar da inauguração da Estrada da Serrinha, que recebeu cerca de R$ 6 milhões de recursos repassados pelo ministério.
 
“Por enquanto nós não temos ainda nenhum motivo para dizer que houve algum tipo de retaliação”, ponderou. Ela disse ainda esperar que o bom senso impere entre EUA e Irã e que os dois países se entendam, garantindo a paz mundial. “Os países árabes, não só o Irã,  precisam de segurança alimentar e o Brasil é um dos países que podem dar essa segurança”, destacou. “O Brasil é um grande celeiro, a gente espera que isso se acomode o mais rápido possível e que a agricultura brasileira possa continuar a produzir e a contribuir para o abastecimento interno e mundial”, disse.
 
Tereza Cristina lembrou ainda que o Irã é sim grande importador de milho e de soja, mas o Brasil continua a abrir outros mercados. “Nós não podemos colocar todos nossos ovos numa só cesta”, comparou. “Esperamos poder continuar exportando para o Irã, para Arábia Saudita, para os Emirados Árabes, para o Kuwait, e para novos mercados na Ásia, além da China, com grande população e altas taxas de crescimento”, enumerou. “São países que têm um potencial de importação porque precisam de alimentos. O que o Ministério da Agricultura faz é esse equilíbrio: abrir novos mercados, não colocando todos os ovos numa cesta só”, enfatizou.

Fonte: Mapa
Voltar Imprimir
Deixar um comentário
Nome
Comentário
 

Notícias recentes

Pressão de baixa perde força no mercado do boi 29 de janeiro de 2020 Na última segunda-feira (27/1), no mercado do boi gordo, apesar das altas terem sido modestas e em apenas 25,0% das regiões pesquisadas pela Scot Co...
Ministério da Agricultura abre inscrições para feiras internacionais de alimentos e bebidas 29 de janeiro de 2020 O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) abriu as inscrições para empresas e entidades interessadas em participar das feiras i...
Após semanas de desvalorização, carne bovina reage no varejo 29 de janeiro de 2020 Os preços da carne bovina vendida no mercado varejista de São Paulo estavam vivenciando uma trajetória de queda desde o começo do ano. Contudo, no...
Governo proporciona que 1,5 mil agricultores tenham acesso a pesquisa e tecnologia 29 de janeiro de 2020 Em média, 1,5 mil agricultores de Mato Grosso do Sul utilizam por ano, os resultados de pesquisa da Fundação MS para tomar decisões sobre as safra...
Mais dez lotes de cerveja contaminada da Backer são identificados 29 de janeiro de 2020  Mais dez lotes de cerveja da marca Backer foram identificados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) com a presença ...
Oferta limitada deve manter a cotação do couro sustentada 29 de janeiro de 2020 Mercado do couro com preços estáveis. Esse cenário, de mercado calmo, com os preços andando de lado, já era esperado, uma vez que a valorização...
Rentabilidade média em 2019 no mercado físico de soja alcançou 8,42% 29 de janeiro de 2020 O ano de 2019 foi positivo para os produtores de soja do País e 2020 também deve contar com um cenário favorável, informou nesta terça-feira (28/...


Foto: Divulgação
Ministra Tereza Cristina durante visita a Patos de Minas