Notícias

Audiência conjunta de comissões da Câmara debate reestruturação do Mercosul

11 de julho de 2019

A Comissão de Finanças e Tributação (CFT) da Câmara dos Deputados realizou, nesta quarta-feira (10), audiência pública conjunta com a Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural (CAPADR) para iniciar um amplo debate sobre a reestruturação do tratado do Mercosul, e buscar uma solução para o desequilíbrio enfrentado pela agropecuária brasileira no mercado agrícola do bloco. A proposta de discussão foi apresentada pelo presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), deputado Alceu Moreira (MDB-RS), e pelo presidente da CFT e vice da FPA, deputado Sérgio Souza (MDB-PR).

O presidente da FPA iniciou seu discurso dizendo que o acordo do Mercosul precisa ser revisto, e que os países envolvidos no tratado devem fazer os ajustes conforme suas peculiaridades. “Quando se faz um acordo internacional com dois blocos, haverá tanto vantagens como desvantagens para ambos. É preciso acertar o bloco, para agir como bloco. Vamos ajustar o tratado do Mercosul, e também olhar para o nosso país, para proteger nossos produtores”, afirmou.
 
Moreira avaliou que o acordo feito entre a União Europeia e o Mercosul foi um importante passo, e que pode favorecer o comércio agropecuário do Brasil com o resto do mundo. Mas que essa discussão será feita na próxima audiência, no dia 16 de julho, com a presença da ministra da Agricultura, Tereza Cristina.
 
Ele demonstrou preocupação com o setor leiteiro do Brasil, que precisa de mais apoio, e pode ser prejudicado com o acordo de livre comércio. O presidente da FPA citou o exemplo do nosso país vizinho, a Argentina, que produz cerca de 13 bilhões de litros de leite por ano, com 12.800 produtores, enquanto o Brasil produz 39 bilhões, porém com 1.250.000 milhão de produtores. “É preciso fazer uma política específica para tornar o setor competitivo”, afirmou.
 
Alceu Moreira fez duras críticas ao arroz vindo dos países vizinhos, principalmente do Paraguai. “Uma solução complexa é a do arroz, é preciso ter muita pesquisa, é preciso ter rotação de cultura, onde é possível produzir soja, ou seja, é preciso salvar o produtor de arroz, trazer o produtor de arroz para o meio produtivo e com dignidade”, finalizou.
 
Para o coordenador da Comissão de Agricultura Familiar da FPA, deputado Celso Maldaner (MDB-SC), o tratado entre os países do Mercosul não beneficia o agronegócio brasileiro. “A preocupação nossa é em desburocratizar e simplificar a legislação interna, especialmente com relação à questão ambiental e sanitária, o que vai nos tornar mais competitivos”, afirmou.
 
O deputado Sérgio Souza lembrou que o bloco sul-americano concentra alguns dos mais importantes países agrícolas do mundo, o que o torna uma potência. “No entanto, a agropecuária brasileira pode ser prejudicada, em especial os produtores rurais”, alertou.
 
Souza chegou a apresentar um projeto de lei que restringe a importação de leite em pó ou in natura de países que não respeitem normas e padrões de proteção ao meio ambiente compatíveis com o que diz a legislação do Brasil. É o caso da entrada do leite em pó do Uruguai, que, por não seguir esses padrões, vem com preços mais baixos que os dos produtores brasileiros. De acordo com ele, a proposta, que está tramitação, pretende dar mais igualdade na concorrência comercial.
 
Participaram ainda do debate representante da Confederação Nacional da Indústria (CNI); a diretora executiva da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq); o presidente da Associação Brasileira das Indústrias do Trigo (Abitrigo); o diretor jurídico da Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz); o presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Leite (Abraleite); o analista técnico e econômico da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB); o economista-chefe do Sistema Farsul e representantes do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (MAPA), Ministério da Economia e Ministério das Relações Exteriores.

Fonte: FPA
Voltar Imprimir
Deixar um comentário
Nome
Comentário
 

Notícias recentes

Prazo para produtor rural se cadastrar no Proacap é prorrogado para 30 de setembro 28 de maio de 2020 O prazo para que os produtores rurais de Mato Grosso do Sul façam o cadastro no Proacap (Programa de Atualização do Cadastro da Agropecuária e do ...
NOTA OFICIAL 26 de maio de 2020 A Acrissul (Associação dos Criadores de Mato Grosso do Sul), entidade representativa dos produtores rurais do Estado, vem através da presente NOTA ...
Artigo: O que está acontecendo com a relação de troca bezerro/boi gordo? 21 de maio de 2020 Guilherme Cunha MalafaiaPaulo Henrique Nogueira BiscolaFernando Rodrigues Teixeira Dias Esta pergunta paira na cabeça dos pecuaristas quando vee...
Semagro e Banco do Brasil lançam crédito de R$ 30 milhões para agricultura familiar 21 de maio de 2020 Produtores da Agricultura Familiar de Mato Grosso do Sul terão disponíveis R$ 30 milhões em recursos para contratação via Pronaf (Programa Nacion...
Municípios têm até 31 de maio para protocolar pedido de participação no ICMS Ecológico 21 de maio de 2020  Os municípios sul-mato-grossenses que desejam pleitear participação no rateio do ICMS Ecológico têm até 31 de maio de 2020 para enviar ao ...
União prorroga prazo de vencimento de parcelas de débitos com Receita e Fazenda Nacional 21 de maio de 2020 O Comitê da Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico Produção e Agricultura Familiar), que faz o Monitoramento das Ações ...
Área plantada do milho 2ª safra segue estimada em 1,97 milhão de hectares em MS 21 de maio de 2020 Os dados do Boletim do Projeto SIGA/MS (Sistema de Informação Geográfica do Agronegócio) reafirmou as previsões de chuvas para os próximos 15 di...


Foto: Divulgação
O deputado Celso Maldaner (MDB-SC) diz que o tratado entre os países do Mercosul não beneficia o agronegócio brasileiro