Notícias

PIB do agro inicia 2019 com leve queda

25 de abril de 2019

O PIB do Agronegócio brasileiro apresentou ligeira queda de 0,15% em janeiro de 2019, de acordo com pesquisas do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP, em parceria com a CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil). Segundo pesquisadores do Cepea, a pequena retração está ligada ao resultado negativo observado para o ramo pecuário, de 0,6%, tendo em vista que o agrícola registrou estabilidade. Entre os segmentos do agronegócio, apenas o de insumos cresceu em janeiro, mantendo a tendência de alta já verificada em 2018. 

 
O segmento de insumos agrícolas foi impulsionado pelas indústrias de fertilizantes e de defensivos. Quanto ao ramo pecuário, a alta no segmento de insumos em janeiro refletiu principalmente o comportamento da indústria de rações, favorecida pela elevação de preços. Apesar disso, o faturamento esperado para essa indústria segue pressionado pela menor produção esperada, prejudicada, entre outros fatores, pelas restrições à importação do frango brasileiro.  
 
As reduções do PIB no segmento primário refletem o aumento esperado dos custos de produção, tanto no ramo agrícola quanto no pecuário. Esse resultado, por sua vez, esteve atrelado ao aumento nos preços do diesel, à possível ampliação do uso de fertilizantes e defensivos na agricultura e aos maiores preços da ração e do milho na pecuária. 
 
No caso da agroindústria de base agrícola, a menor produção esperada para o ano pressionou os resultados de janeiro/19. Para a indústria de base pecuária, a renda do segmento esperada para o ano tem sido pressionada pelo aumento previsto dos custos de produção, embora os preços dos produtos pecuários industriais tenham, em média, se elevado em janeiro deste ano (em comparação com o mesmo mês do ano passado).
 
AGROSSERVIÇOS
O segmento de agrosserviços agrícolas foi pressionado especialmente pelo menor volume de produção esperado no elo industrial, com quedas de produção estimadas para indústrias importantes em termos de volume transportado e comercializado, como de produtos de madeira, celulose e papel, têxteis e vestuário e óleos e gorduras vegetais, além de outros produtos alimentares gerais. Quanto ao ramo pecuário, o resultado negativo reflete principalmente um efeito preço, com o estreitamento das margens ao longo das cadeias mediante elevação dos custos de produção no segmento primário (alta nas rações e no milho) e industrial (alta nos custos industriais gerais).

Fonte: Cepea
Voltar Imprimir
Deixar um comentário
Nome
Comentário
 

Notícias recentes

Venda de tratores de rodas cresce 39,6% em MS no primeiro quadrimestre de 2019 21 de maio de 2019 A venda no varejo de tratores de rodas cresceu 39,6% em Mato Grosso do Sul no primeiro quadrimestre de 2019 frente ao mesmo período de 2018, passando...
Manejo do palhiço no sul de Mato Grosso do Sul prejudica canavial 21 de maio de 2019 Pesquisa realizada pela Embrapa Agropecuária Oeste, na região sul do Mato Grosso do Sul comprovou que nessa região quanto menos manejo for feito co...
Caminhoneiros boiadeiros param no PA e afetam pecuária 21 de maio de 2019 A pecuária do Pará, mais especificamente no norte do Estado, se encontra em difícil situação, relata boletim desta tarde de terça-feira da Infor...
Exportação de lácteos da Argentina aumenta 9% no 1º trimestre, para 72,6 mil toneladas 21 de maio de 2019 A exportação de produtos lácteos argentinos aumentou 9% em volume no primeiro trimestre deste ano, em comparação com igual intervalo do ano anter...
PIB do Agro cresce 0,07% em fevereiro, mas cai 0,46% no 1º bi 21 de maio de 2019 O PIB do agronegócio calculado pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) em parceria com a Confederação da Agricultura e Pecu...
Calor durante o dia e frio no início da noite; sem previsão de chuva na maior parte de MS 21 de maio de 2019 O calor deve continuar nesta terça-feira (21). Uma massa de ar seco ganhou força sobre o Centro-Oeste e ainda atua na maioria das áreas . Mesmo com...
Custos de produção de suínos e de frangos de corte caem 2% em abril 21 de maio de 2019 Os custos de produção de suínos e de frangos de corte calculados pela CIAS, a Central de Inteligência de Aves e Suínos da Embrapa, caíram 2,16% ...