Notícias

CAR encerra dia 31 de dezembro e em MS 90% das áreas estão inscritas

13 de novembro de 2018

O prazo para os produtores rurais preencherem o CAR – Cadastro Ambiental Rural encerrará no dia 31 de dezembro deste ano, o alerta é feito pela Famasul – Federação da Agricultura e Pecuária de MS, orientando os produtores a não deixarem a adesão para última hora.

De acordo com os dados do Imasul – Instituto de Meio Ambiente de MS, até o momento, aproximadamente 90% das áreas rurais estão cadastradas, o que equivale a mais de 62 mil propriedades, ultrapassando 31 milhões de hectares.
 
“Podemos dizer que o CAR pode proporcionar ao agro o símbolo Green Card, elevando o status conservacionista do nosso setor. É um compromisso que o produtor tem com o meio ambiente”, afirma o diretor-tesoureiro do Sistema Famasul, Marcelo Bertoni, destacando que o CAR é um cadastro obrigatório para todas as propriedades rurais.
 
O governo do estado, destaca o diretor da Federação, é responsável pelas propriedades de pequeno porte, ou seja, que possuem até 4 módulos fiscais, considerando que cada município tem tamanho de módulo diferente. Em Mato Grosso do Sul, variam de 15 a 110 hectares.
 
“Quanto mais próximo dos 100% da área total cadastrável, com mais clareza mostraremos o trabalho desenvolvido pelo agro em prol do meio ambiente, resultando em um mapeamento preciso da sustentabilidade no campo”, acrescenta Bertoni.
 
Essa é a primeira fase do CAR. Em seguida, as informações, que são autodeclaratórias, passarão por uma análise técnica e comprobatória, o que significa que é preciso ficar atento ao cadastro e acompanhar o andamento do seu registro no Siriema – Sistema Imasul de Registros e Informações Estratégicas do Meio Ambiente.
 
Segundo Bertoni, quem não se cadastrar pode sofrer sanções: “O produtor rural que não tiver o CAR é impedido de fazer o licenciamento ambiental, ficando irregular em sua atividade, restringindo comercialização e acesso a créditos”.
 
O CAR está previsto no Código Florestal (Lei 12.651/2012) e é obrigatório para todos os imóveis rurais, inclusive aqueles que não possuam irregularidade alguma. Os produtores com passivos a regularizar devem, primeiramente, cadastrar suas propriedades no CAR. Desta forma, poderão aderir ao Programa de Regularização Ambiental (PRA).

Fonte: Famasul
Voltar Imprimir
Deixar um comentário
Nome
Comentário
 

Notícias recentes

Renda agropecuária de Mato Grosso do Sul deve subir aproximadamente 5% 13 de dezembro de 2018 O VBP – Valor Bruto de Produção – deve aumentar aproximadamente 5% em 2019. A previsão foi anunciada, nessa quarta-feira (12), pelo pre...
Programa Soja Plus intensificará atividades em Bonito, Jardim e Bodoquena 13 de dezembro de 2018 Agricultores da região de Jardim, Bonito e Bodoquena receberão reforços em suas propriedades com o Soja Plus, um programa de adesão gratuita, admi...
Iagro monitora Influenza Aviária e Doença de Newcastle no Estado 13 de dezembro de 2018 A Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal (Iagro) realiza o monitoramento anual da Doença de Newcastle e Influenza Aviária do Sítio...
Brasil antecipa meta de reduzir emissão de CO2 com a agropecuária sustentável 13 de dezembro de 2018 O Brasil mitigou entre 100,21 e 154,38 milhões de Mg CO2 equivalente (equivalência de dióxido de carbono) , no período de 2010 a 2018, alcançado ...
Expectativa de maior demanda dá firmeza ao mercado do boi 13 de dezembro de 2018 Com a expectativa de maior consumo de carne devido às festividades de final de ano, os frigoríficos buscam abastecer os estoques para atender a dema...
FPA e entidades do setor produtivo debatem desafios da agropecuária em 2019 13 de dezembro de 2018 O cenário da agropecuária e do Brasil para o próximo ano: desafios e perspectivas. Esse foi o tom do discurso no seminário Agro Cenário 2019, rea...
Preço do sebo bovino subiu 16,7% no segundo semestre 13 de dezembro de 2018 Apesar da demanda em alta, o preço do sebo bovino ficou estável na última semana. Segundo levantamento da Scot Consultoria, no Brasil Central, o pr...


Foto: Divulgação
Em Mato Grosso do Sul, variam de 15 a 110 hectares.