Ruralistas participarão da transição de governo

07 de novembro de 2018

A bancada ruralista vai participar diretamente da transição de governo. A Frente Parlamentar Agropecuária (FPA) terá ao menos três representantes atuando dentro do gabinete montado no Centro Cultural do Banco do Brasil (CCBB), em Brasília (DF). Um deles será a própria presidente da FPA, Deputada Tereza Cristina (DEM-MS), garantindo que participará de forma voluntária.

Outros dois nomes para a equipe de transição ainda estão sendo discutidos, confirmou a deputada. Segundo Tereza Cristina, deve ser mais um parlamentar ligado à bancada ruralistas, além de um técnico, a serem sugeridos ao coordenador da transição, o futuro ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni.
 
“As coisas agora estão caminhando. A gente espera poder colocar todos os pontos sensíveis para a agropecuária que a gente tem como tema”, disse Teresa Cristina, após a reunião semanal da Frente Parlamentar, nesta terça-feira (6/11). “Vou ficar nessa coordenação, mas queremos mais gente participando porque agropecuária é assunto vastíssimo”, acrescentou.
 
Tereza Cristina explicou que a ideia é ter uma participação mais ampla de parlamentares ligados ao agronegócio, de acordo com o tema que estiver sendo discutido na transição. Segundo a deputada, o grupo tem especialistas em assuntos específicos, que podem colaborar com o novo governo.
 
“Temos os temas do executivo, que vamos colocar para o governo. E os temas do legislativo que vamos encaminhar. Fizemos um levantamento geral não só de assuntos do ministério da Agricultura, em si. Há temas que são transversais”, acrescentou, citando trabalho, relações exteriores e comércio.
 
Em entrevista a Globo Rural, nesta terça-feira (6/11), o deputado federal e senador eleito Luiz Carlos Heinze (PP-RS) informou que foi um pedido do próprio presidente eleito Jair Bolsonaro a participação de ruralistas na transição. “Vamos ajudar na transição. Ele está pedindo nomes para ajudar. Temos que bater bem na questão do direito de propriedade. Há questões ambientais, trabalhistas. Temos que simplificar o processo produtivo”, defendeu o parlamentar, já pontando assuntos prioritários.
 
Em meio à discussão sobre uma possível fusão entre os Ministérios da Agricultura e Meio Ambiente, as duas áreas, pelo menos por enquanto, serão tratadas juntas na transição. Os trabalhos de preparação da nova administração serão divididos por temas. Um deles é agricultura, meio ambiente e produção sustentável.
 
De acordo com o deputado Valdir Colatto (MDB-SC), os ruralistas não fecharam a questão em torno deste assunto. Mas há um entendimento na maior parte da bancada de que a fundir Agricultura e do Meio Ambiente não é viável, por trazer questões que não são diretamente ligadas ao agronegócio.
 
“Tem que tirar um pouco de ideologia da questão ambiental. O que a gente quer é que o Meio Ambiente não atrapalhe e tenha bom senso na hora de tomar decisões”, argumenta. O presidente eleito Jair Bolsonaro viajou a Brasília (DF), nesta terça-feira (6/11), sua primeira ida à capital federal desde a eleição. No Congresso, participou de um cerimônia comemorativa dos 30 anos da Constituição. Ainda não há uma data marcada para um encontro dele com os ruralistas.
Fonte: Revista Globo Rural