Notícias

Exportação de carne bovina bate recorde em julho, diz Abrafrigo

10 de agosto de 2018

A exportação total de carne bovina (in natura e processada) bateu recorde em julho, com crescimento de 24% em comparação com igual mês de 2017, depois de quatro meses consecutivos de resultados negativos. Foram embarcadas 159.004 toneladas no mês passado, em comparação com 127.787 toneladas em julho de 2017. Os preços também melhoraram significativamente. A receita cambial, que no mesmo mês de 2017 atingiu US$ 533,5 milhões, saltou para US$ 840 milhões em julho passado, crescimento de 58%. As informações são da Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo), que compilou os dados divulgados pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).

 
Os números são positivos no acumulado do ano até julho, favorecendo alcançar a meta de crescimento de 10% em 2018, já que no segundo semestre do ano as vendas tendem a crescer, avalia a Abrafrigo. Em 2017 foram exportadas 783.735 toneladas de carne bovina até julho e a receita obtida foi de US$ 3,1 bilhões. Em 2018 a movimentação é de 841.002 toneladas e a receita cambial obtida atingiu US$ 3,5 bilhões, com crescimento respectivo de 7% e de 11%.
 
A China, por meio da Cidade Estado de Hong Kong e do continente, continua elevando suas importações de produto brasileiro. As compras chinesas passaram de 289.407 toneladas no acumulado de 2017 até julho para 370.192 toneladas este ano. A receita, que responde por 44,1% das vendas brasileiras, subiu de US$ 1,14 bilhão no ano passado para US$ 1,6 bilhão neste ano. O Egito é o segundo maior comprador do produto brasileiro até o momento, com 86.100 toneladas (+42%), o Chile é o terceiro, com 60.812 toneladas (+89%) e o Irã, o quarto, com 41.470 toneladas, embora tenha reduzido suas aquisições em relação a 2017 (-33%), por causa das dificuldades impostas pelas sanções dos EUA.
 
Segundo a Abrafrigo, há expectativa no setor pelo retorno da Rússia às compras do Brasil. A Rússia respondia por cerca de 10% das vendas brasileiras e, em 2017, havia movimentado 88 mil toneladas até julho. A Abrafrigo destaca uma recuperação nas vendas para alguns países da União Europeia: Alemanha (+32%); Países Baixos (+10%); Reino Unido (+16,7%) e Espanha (+30,8%). No total, 84 países aumentaram suas compras até julho enquanto outros 58 reduziram as aquisições de carne brasileira.

Fonte: Revista Globo Rural
Voltar Imprimir
Deixar um comentário
Nome
Comentário
 

Notícias recentes

Receita Federal institui o Livro de Caixa Digital do Produtor Rural 11 de dezembro de 2018 No último dia 28 de novembro de 2018, a Secretaria da Receita Federal do Brasil por meio da Instrução Normativa RFB nº 1.848, instituiu o Livr...
Produção em alta pressiona para baixo os preços do leite ao produtor 11 de dezembro de 2018 Em outubro, a produção de leite registrou o maior incremento este ano. Considerando a média nacional, o aumento foi de 3,9% na captação, na compa...
Nelore Fest celebra em São Paulo a raça bovina mais populosa do País 11 de dezembro de 2018 A grande festa anual dos criadores de gado da raça nelore acontece dia 17 deste mês, a partir das 19h, na casa de eventos Villa Vérico, na Vila Ol...
Conab prevê que produção de milho deverá ser maior em 2019 11 de dezembro de 2018 Levantamento da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) aponta que a produção brasileira de milho poderá chegar a 90,95 milhões de toneladas e...
CNT posiciona-se contra greve de caminhoneiros e é a favor do livre mercado 11 de dezembro de 2018 A Confederação Nacional do Transporte (CNT) divulgou nota nesta segunda-feira (10/12) na qual se posiciona contra a greve de caminhoneiros e reafirm...
Alta de preços da arroba do boi gordo na primeira semana de dezembro 11 de dezembro de 2018 A última sexta-feira (7/12) foi de poucos negócios no mercado do boi gordo. Apesar disso, as cotações ficaram firmes e houve altas de preços em q...
Maiores preços do ano no atacado de carne bovina sem osso 11 de dezembro de 2018 O preço da carne sem osso vendida pelos frigoríficos acumula alta de 5,5% desde o início de novembro, ou seja, são cinco semanas seguidas de ajust...


Foto: Thinkstoc
Exportação bateu recorde depois de quatro meses consecutivos de resultados negativos