Descumprimento do vazio sanitário da soja pode gerar multa de R$ 25 mil

10 de agosto de 2018

 Produtores rurais que descumprirem a exigências do período de vazio sanitário da soja poderão ser multados em quase R$ 25 mil. O período de vigilância vai até 15 de setembro e visa a prevenir a incidência de doenças como a ferrugem asiática em Mato Grosso do Sul.

Durante o vazio sanitário, fica proibido o cultivo da planta, de forma a reduzir a quantidade de esporos do fungo causador da doença na entressafra –contendo seu avanço durante o período de plantio. Os produtores devem também eliminar todas as plantas voluntárias (“guaxas” ou “tigueras”) por meio de processo mecânico ou químico.
 
Antes do plantio, também deve cadastrar as áreas de cultivo na Iagro (Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal), de forma a auxiliar na identificação de área plantada e prevenir vizinhos quanto ao surgimento de focos da ferrugem asiática.
 
A proibição de plantio é de 90 dias, considerando o tempo máximo de sobrevivência dos esporos no ar (55 dias). O descumprimento às regras implica na aplicação de multa de mil Uferms (Unidade Fiscal de Estadual de Referência de Mato Grosso do Sul), hoje estabelecida em R$ 24,66.
 
Além de Mato Grosso do Sul, outros 11 Estados adotam o vazio sanitário para o controle da ferrugem asiática: Distrito Federal, Bahia, Bahia, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Minas Gerais, Pará, Paraná, Rondônia, São Paulo e Tocantins. Desde 2007 o Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) exige um calendário estadual para semeadura de soja, com período mínimo de 60 dias sem plantas nas áreas.
Fonte: CGNews