JBS defende que bem-estar animal é alicerce para o setor de proteína

11 de julho de 2018

A JBS recebeu na manhã da última sexta-feira, 7, na sua sede em São Paulo, especialistas para debater sobre bem-estar animal. Na abertura, Wesley Filho, presidente de operações da JBS na América do Sul, ressaltou o peso dos processos e controles na responsabilidade sobre o alimento que vai à mesa do consumidor. “Qualidade é alicerce e premissa em todas as operações da JBS, gera valor para a empresa e está diretamente ligado ao animal, à matéria-prima. Bem-estar animal é parte essencial do negócio”, afirmou.

A diretora de qualidade da área de carnes da companhia, Emília Raucci, reforçou que o tema é estratégico para a sustentabilidade. “Queremos evoluir nisso e, portanto, é importante debater e trazer a visão das partes interessadas”. No ano passado, a empresa conquistou selo da Business Benchmark on Farm Animal Welfare (BBFAW) em reconhecimento às boas práticas.
 
Daniel Boer, diretor de supply chain global do McDonald’s responsável por fornecedores estratégicos, falou sobre a estratégia da rede. “Somos obcecados por clientes. A missão global do supply chain do McDonald’s é ‘conectar os consumidores com o alimento que eles gostam e acreditam’”, explicou. “Não temos animais, não produzimos o ‘nuggets’. Somos responsáveis pelo que vai para a mesa do cliente, por isso buscamos parcerias estreitas com os fornecedores, que estão juntos na responsabilidade sobre o que servimos. Temos que interligar restaurante, logística, produção e campo. Nisso, rastreabilidade é caminho sem volta”, afirmou, referindo-se às evoluções do setor produtivo no monitoramento de fornecedores na região amazônica.
 
Luiz Mazzon, diretor da instituição Certified Humane Farm Animal Care para América Latina, explicou a importância das certificações em um mundo onde o consumidor está mais exigente quanto à origem do alimento. “A demanda por fontes sustentáveis cria um novo compromisso com o cliente. As empresas vêm cada vez mais incluindo o cuidado com o fornecedor no seu processo e as certificações são importantes. Metas como a de acabar com gaiolas para galinhas e porcos comprovam que a indústria está de olho na questão”.
 
As práticas de bem-estar no Brasil têm evoluído, principalmente porque o país é competitivo globalmente, colocou Paola Rueda, coordenadora do programa de agropecuária sustentável da World Animal Protection (WAP). “Há uma mudança em curso na forma como os animais são criados, e isso impacta diretamente no alimento. O consumidor está atento e as empresas estão acompanhando esse processo”, concluiu.
 
O workshop integra a programação do projeto “Julho Verde JBS”, que tem como intuito engajar funcionários, colaboradores, parceiros, fornecedores e clientes nas melhores práticas de bem-estar animal na produção de proteína. As atividades serão promovidas em todas as unidades da companhia no Brasil ao longo desse mês.
Fonte: DBO Rural