Notícias

Desabastecimento pós-greve sustenta preços do leite

20 de junho de 2018

A greve dos caminhoneiros no final de maio e a consequente redução da oferta vêm pesando no processo de formação de preços do leite no campo e deve garantir a continuação do movimento de alta nos próximos meses, de acordo com boletim divulgado pelo Cepea. Antes, ainda havia dúvidas sobre a continuidade da valorização do leite ao produtor em junho e julho, por conta da demanda enfraquecida. “O bloqueio de rodovias e o desabastecimento de combustíveis prejudicaram o fornecimento de insumos para a produção e também o transporte do leite para as indústrias. Assim, a oferta, já impactada pelo clima desfavorável, foi ainda mais reduzida com o descarte de leite no campo”, afirma a pesquisadora Natália Grigol.

Segundo estudo recente do Rabobank, a captação recuou 20% no País apenas em maio, o que deve diminuir a oferta em 6% no segundo trimestre, na comparação anual. Em relação ao mesmo período de 2017, o banco estima queda de 9%. Nesse cenário de estoques reduzidos no varejo e na indústria, nos últimos 15 dias úteis (de 25/05 a 15/06), o preço do leite UHT (longa-vida) comercializado entre indústrias e atacado do estado de São Paulo registrou alta acumulada de 29,3%, saltando de R$ 2,45/litro para R$ 3,15/l. “O aumento expressivo nos valores ocorreu como única saída para as empresas recomporem seus estoques e poderem, assim, normalizar seus negócios – o que deve ocorrer até o final de junho”, explica a pesquisadora do Cepea. Como o UHT é formador importante de preços do leite no campo, o preço do leite ao produtor deve registrar a quinta alta seguida em junho e superar até mesmo o preço do mesmo mês em 2017.
 
Mesmo com o início da safra no Sul do País, a oferta deve continuar sendo pressionada para baixo nos próximos meses devido ao atraso das chuvas na região, o aumento dos valores dos grãos e o grande número de produtores que deixaram a atividade em 2017 por causa dos baixos preços pagos. “Além disso, o racionamento da dieta dos animais, por conta da escassez de insumos durante a greve, também pode comprometer o funcionamento fisiológico dos animais, os picos de lactação e a produtividade nos próximos meses. Assim, é possível que a menor oferta continue a pesar na precificação do leite e sustente a valorização também em julho”, diz Natália no boletim. A pesquisadora, porém, ressalta que a continuidade das altas é bastante incerta depois da normalização dos negócios e reabastecimento dos estoques e gôndolas. “Diante disso, é possível que a estabilidade que antecede a queda de preços tipicamente observada em setembro possa, neste ano, se adiantar”.
 
Custos de produção
 
Maio foi o quinto mês consecutivo com alta nos custos de produção da pecuária leiteira. De acordo com o Cepea, o Custo Operacional Efetivo (COE), que considera os gastos correntes da propriedade, aumentou 0,73% ante abril na “média Brasil” (BA, GO, MG, PR, RS, SC e SP). O principal motivo foi a elevação de 1,8% no preço do concentrado – puxado pela alta do milho. Por outro lado, os valores de suplementação mineral ficaram estáveis em um momento importante, já que com o início da seca, o produtor recorre mais à alternativa. De janeiro a maio, o COE registra alta de 4,26%.
 
As relações de troca com milho e sal mineral ficaram mais favoráveis para o pecuarista com o aumento do preço recebido pelos produtores. O poder de compra cresceu em 4,4% para o milho e em 24,9% para o sal mineral. Enquanto em abril eram necessários 31,6 litros de leite para comprar uma saca de 60 kg de milho e 57,55 litros de leite para adquirir um saco de 30 kg de fósforo 65g, em maio, foram necessários 30,2 litros e 43,21 litros para adquirir os mesmos insumos, respectivamente, informa o Cepea.
 
Os pesquisadores ressaltam, porém, que a alta nos preços e relações de troca mais favoráveis não significam lucratividade no campo. “De modo geral, o segmento produtivo enfrenta grandes desafios relacionados à capitalização e dificuldades em cobrir os custos com depreciação, que asseguram a atividade no longo prazo”.
 
Mercado externo
 
O volume de vendas externas de lácteos pelo Brasil em maio chegou ao menor patamar desde 2010 com 2,4 milhões de litros em equivalente leite. A baixa é de 55,1% em relação a abril. “Os embarques mais baixos são resultado da menor produção brasileira de leite, intensificada pelo início da entressafra, além do desestímulo de produtores frente aos baixos preços no início de 2018”, informa o Cepea. Queijos e leite condensado foram os produtos mais exportados.
 
Quanto às importações, o Brasil adquiriu 102 milhões de litros em equivalente leite em maio, 13,8% mais do que em abril, mas 14,9% menos do que em maio de 2017. O principal produto importado continua sendo o leite em pó, com 75,5% de participação no total. Argentina e Uruguai lideram as vendas, com 50,3% e 40,7% de representação no total, respectivamente.

Fonte: DBO Rural
Voltar Imprimir
Deixar um comentário
Nome
Comentário
 

Notícias recentes

China confirma tarifas de até 32,4% ao frango brasileiro 15 de fevereiro de 2019 A China confirmou nesta sexta-feira, 15 de fevereiro, a imposição de medidas antidumping sobre a importação de frango brasileiro. De acordo com an...
Marfrig realiza o primeiro embarque com destino ao Japão 15 de fevereiro de 2019 A Marfrig Global Foods, uma das companhias líderes globais em carne bovina, fez o primeiro embarque de produtos para o Japão por meio de suas unidad...
Tempo instável e temperaturas amenas fecham a semana em MS 15 de fevereiro de 2019 Sexta-feira (15.2) segue o rito das previsões do tempo registrada ao longo desta semana. Chuva, trovoadas, céu nublado e temperaturas amenas são es...
Marasmo no mercado do boi gordo continua em todas as praças 15 de fevereiro de 2019 Mercado do boi gordo sem grandes movimentações. No fechamento desta quarta-feira (13/2) praticamente não houve alteração nas referências.Frigor...
Cientistas desenvolvem metodologia para medir emissões de GEE na aquicultura 15 de fevereiro de 2019 Cientistas da Embrapa Meio Ambiente (Jaguariúna, SP) e do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - Inpe, (São José dos Campos, SP) criaram um Mo...
JBS entra no lugar da Marfrig em parceria com a associação de Nelore 15 de fevereiro de 2019 A JBS, maior indústria bovina do Brasil, com 36 frigoríficos espalhados pelo País, assinou parceria com a Associação dos Criadores de Nelore do B...
Varejo: margem da carne bovina continua subindo no Brasil 15 de fevereiro de 2019 Em São Paulo, no Rio de Janeiro e em Minas Gerais, na média de todos os cortes vendidos nos supermercados e nos açougues, os preços da carne bovin...


Foto: Arquivo
Mesmo com o início da safra no Sul do País, a oferta deve continuar sendo pressionada para baixo nos próximos meses devido ao atraso das chuvas na reg