Notícias

Cooperativas agropecuárias do Brasil faturaram R$ 200 bilhões em 2017

17 de maio de 2018

As cooperativas de produção agropecuária no Brasil faturaram R$ 200 bilhões em 2017. O valor representa um crescimento de 10,61% em relação à receita registrada em 2016, que foi de R$ 180,8 bilhões. A informação é da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB).

“O cooperativismo vem se descolando da realidade do país em termos de crescimento. Vem crescendo mais”, avalia Renato Nobile, superintendente da OCB, que concedeu entrevista a Globo Rural durante a Agrobrasília, feira de tecnologia agrícola realizada nesta semana, em Brasília (DF).

Ele diz que o resultado reflete a maior industrialização, o que agrega valor. É o investimento em transformação de soja em óleo, por exemplo, ou o maior destino dos grãos à produção animal. Esse movimento foi ajudado por um mercado, no geral, favorável para os negócios das cooperativas.
 
“Na venda de produtos ou compra de insumos, a cooperativa serve como um balizador de preços. O desafio ao agregar valor é manter o equilíbrio entre conseguir os insumos com menor custo ao mesmo tempo remunerar bem os produtores”, explica o superintendente da OCB.
 
As cooperativas agropecuárias também exportaram mais em 2017. Foram US$ 6,16 bilhões, 20,07% a mais que em 2016: US$ 5,13 bilhões. O complexo soja respondeu por 28% do total, com US$ 1,74 bilhão. Depois aparecem açúcar e etanol, com 26% (US$ 1,6 bilhão), aves, com 21% (US$ 1,28 bilhão), café, com 11% (US$ 706 milhões) e suínos, com 6% (US$ 341 milhões).
 
Os dados da OCB mostram ainda que a China foi o principal destino dos embarques, respondendo por 19% das exportações das cooperativas agropecuárias. Depois aparecem os Estados Unidos (8%), Emirados Árabes (7%) e Alemanha (7%).
 
2018
 
Renato Nobile diz acreditar que a trajetória de crescimento na receita das cooperativas agropecuárias deve se manter em 2018. Porém, sinalizando certa cautela, o superintendente da OCB não arrisca uma estimativa.
 
Ele destaca, de um lado, o bom desempenho da soja, com crescimento da safra em meio a preços elevados, em função da quebra da safra argentina. Mas vê motivos de preocupação para o milho de segunda safra por causa do clima em algumas regiões produtoras, especialmente no sul e sudeste.
 
“A expectativa é de crescimento da receita, mas tem a contingência de cada safra. A soja foi positiva, uma realidade importante para o país. Mas uma apreensão na segunda safra de milho com o clima. Valoriza o grão para o produtor, mas tem impacto na cadeia toda”, analisa Nobile.
 
O desempenho das cooperativas também dependerá das condições a serem anunciadas no Plano Safra para o ciclo 2018/2019, que começa oficialmente no dia primeiro de julho. O superintendente da OCB acredita que o governo deve pelo menos manter o volume de recursos da safra atual.
 
Mas dá como praticamente certa a redução das taxas dos programas de financiamento, que ficariam mais próximas da Selic, os juros básicos da economia, hoje em 6,5% ao ano. Segundo Nobile, o setor cooperativo sugeriu um corte médio de 3 pontos percentuais nas principais linhas. Mas o que se sinaliza até agora é uma redução de apenas 2 pontos.
 
“Estamos fazendo a nossa defesa da equalização dos juros. Parece haver uma boa vontade e é compreensível a situação econômica do país. Mas a importância e o resultado que dá o agronegócio é o argumento que temos”, diz ele.
 
Entre os 13 setores da economia onde o sistema cooperativista está inserido no Brasil, a agropecuária é o mais representativo. Das 6,65 mil cooperativas contabilizadas pela OCB, 1,55 mil estão na produção rural, com mais de um milhão de associados.

Fonte: Revista Globo Rural
Voltar Imprimir
Deixar um comentário
Nome
Comentário
 

Notícias recentes

China confirma tarifas de até 32,4% ao frango brasileiro 15 de fevereiro de 2019 A China confirmou nesta sexta-feira, 15 de fevereiro, a imposição de medidas antidumping sobre a importação de frango brasileiro. De acordo com an...
Marfrig realiza o primeiro embarque com destino ao Japão 15 de fevereiro de 2019 A Marfrig Global Foods, uma das companhias líderes globais em carne bovina, fez o primeiro embarque de produtos para o Japão por meio de suas unidad...
Tempo instável e temperaturas amenas fecham a semana em MS 15 de fevereiro de 2019 Sexta-feira (15.2) segue o rito das previsões do tempo registrada ao longo desta semana. Chuva, trovoadas, céu nublado e temperaturas amenas são es...
Marasmo no mercado do boi gordo continua em todas as praças 15 de fevereiro de 2019 Mercado do boi gordo sem grandes movimentações. No fechamento desta quarta-feira (13/2) praticamente não houve alteração nas referências.Frigor...
Cientistas desenvolvem metodologia para medir emissões de GEE na aquicultura 15 de fevereiro de 2019 Cientistas da Embrapa Meio Ambiente (Jaguariúna, SP) e do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - Inpe, (São José dos Campos, SP) criaram um Mo...
JBS entra no lugar da Marfrig em parceria com a associação de Nelore 15 de fevereiro de 2019 A JBS, maior indústria bovina do Brasil, com 36 frigoríficos espalhados pelo País, assinou parceria com a Associação dos Criadores de Nelore do B...
Varejo: margem da carne bovina continua subindo no Brasil 15 de fevereiro de 2019 Em São Paulo, no Rio de Janeiro e em Minas Gerais, na média de todos os cortes vendidos nos supermercados e nos açougues, os preços da carne bovin...


Foto: Arquivo
Aumento da produção e dos preços da soja favorecem o cenário