Notícias

Maggi afirma que pauta de exportações entre Brasil e China será diversificada

17 de maio de 2018

Em Pequim, o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi, reuniu-se com integrantes da Administração Geral da Supervisão da Qualidade, Inspeção e Quarentena (antiga AQSIQ). No encontro, o ministro recebeu de Zou Zhiwu, vice-ministro da Administração Geral da Aduana da China, a garantia de que será cumprido o compromisso de avançarem nas negociações entre os dois países na Subcomissão de Inspeção e Quarentena chinesa. Há dois anos, Brasil e China paralisaram as reuniões nesta subcomissão, que aprova as condições sanitárias e fitossanitárias para o comércio de produtos agropecuários com a China.

“Esse é o começo de um novo tempo nas nossas relações comerciais”, comemorou o ministro. Entre as questões que o Brasil levará para serem tratadas na subcomissão, ainda este ano, estão as exportações de miúdos de suínos e de bovinos, de carnes com osso e carnes termicamente processadas. "Isto só está sendo possível”, destacou Maggi, “porque estamos recebendo o certificado de país livre da febre aftosa pela OIE (Organização Mundial de Saúde Animal).”
 
O Brasil aguarda para o próximo dia 21 a chegada de uma missão veterinária chinesa para inspecionar plantas frigoríficas de aves, carne bovina e de asininos (jumentos). O ministro lembrou ainda que também deverão ser incluídas nas tratativas comerciais a exportação e a importação de frutas. A China pretende importar arroz, lácteos, farinhas para ração animal e ovos férteis, e exportar pescados para o Brasil. "Estamos avançando na diversificação da nossa pauta de exportações", disse Maggi.
 
A China é o maior mercado para os produtos agropecuários brasileiros, consumindo 39% do total de nossas exportações. Em 2017, os embarques somaram US$ 26 bilhões, com liderança da soja em grão (US$ 20,3 bilhões), e celulose (US$ 2,6 bilhões). As importações de produtos chineses no mesmo período atingiram US$ 1,1 bilhão, principalmente de algodão e produtos têxteis de algodão (US$ 288,2 milhões).

Fonte: Mapa
Voltar Imprimir
Deixar um comentário
Nome
Comentário
 

Notícias recentes

Fenômeno El Niño pode retornar no fim deste ano 17 de julho de 2018 O El Niño, fenômeno caracterizado pelo aquecimento das águas do Oceano Pacífico Equatorial, tem grandes chances de se firmar até dezembro de 2018...
Oferta restrita de boiadas e lentidão no escoamento de carne travam mercado do boi 17 de julho de 2018 A associação entre oferta restrita de boiadas e demanda patinando mantém o mercado travado. Vale lembrar que apesar do lento escoamento de carne bo...
Greve dos caminhoneiros e Rússia derrubam exportação de suínos do Brasil 17 de julho de 2018 As exportações totais de carne suína, entre produtos in natura e processados, alcançaram 278,3 mil toneladas entre janeiro e junho deste ano. O n...
Exportação de gado em pé em alta em relação a 2017 17 de julho de 2018 Em meio a discussões sobre a proibição da atividade em São Paulo, a exportação de gado em pé se mantém em alta em 2018. Segundo dados do Minis...
Mercado de reposição de bovinos começa a ganhar ritmo em todo o País 17 de julho de 2018 A especulação ganhou força no mercado de reposição e, aos poucos, o volume de negócios concretizados aumenta no mercado de reposição. A firmez...
Vice-presidente do Sistema Famasul destaca potencial da fronteira na Expobel 2018 17 de julho de 2018 O vice-presidente do Sistema Famasul – Federação da Agricultura e Pecuária de MS, Nilton Pickler, participou da abertura da  47ª Ex...
Tempo seco favorece a colheita do milho no Brasil central 17 de julho de 2018 Há pouca variação de nebulosidade na maior parte do país, porque uma massa de ar seco ainda segue atuando. As instabilidades continuam somente nas...


Foto: Divulgação