Acrissul participa de lançamento oficial de campanha contra febre aftosa em MS

09 de maio de 2018

O Governo do Estado lançou oficialmente nesta quarta-feira (09 de maio), a campanha de vacinação contra a febre aftosa em Mato Grosso do Sul. A solenidade aberta à imprensa, foi realizada na Fazenda Embriza, em Campo Grande e contou com a do secretário da Semagro MS, Jaime Verruck, do diretor-presidente da Iagro-MS, Luciano Chiochetta e do Superintendente de Agronegócios Rogério Beretta. O presidente da Acrissul (Associação dos Criadores de Mato Grosso do Sul), Jonatan Pereira Barbosa, participou da solenidade. Além dele, também partiparam membros da Famasul (Federação da Agricultura e Pecuária de MS), do Conselho Regional de Medicina Veterinária, da SFA-MS (Superintendência Federal da Agricultura), que representa o Mapa (Ministério da Agricultura), no Estado e do Sindicato Rural de Campo Grande.

Em abril todo o Brasil foi reconhecido como área livre de aftosa, com vacinação. A decisão chega após 123 anos de ações contra a doença, que teve o primeiro foco no país em 1895 e o último em 2006. Mato Grosso do Sul, há 12 anos, também comemora território sem registro de Febre Aftosa. Para o presidente da Acrissul, Jonatan Pereira Barbosa, "o momento é de comemorar não só a conquista do status de zona livre de aftosa com vacinação, mas também a expectativa para 2022 o Brasil ser declarado zona livre sem vacinação."
 
O ruralista, que ocupou a tribuna da solenidade, também alertou para o fato de que daqui para frente o desafio de Mato Grosso do Sul é ainda maior, em função de que sempre o Estado ocupou a posição de uma das mais eficientes taxas de imunização do País, com índice perto dos 100%. "Com a redução da dose da vacina, a partir de 2019, esperamos que isso posso contribuir para minimizar as lesões no local da vacina", ponderou.
 
Para Jonatan Barbosa é certo que a qualidade da carne começa por um bom manejo sanitário. "Mas o Ministério da Agricultura não pode empurrar todo o ônus da vacinação para o produtor. O Ministério impõe a obrigação mas o custo é todo do produtor. É preciso criar um mecanismo para compensar esse ônus para o pecuarista", avalia. 
 
Nesta etapa, a campanha pretende imunizar 21 milhões de cabeças. Ao custo médio de R$ 1,15 a dose da vacina contra aftosa, o desembolso total ao final da campanha será superior a R$ 24 milhões. 
 
A vacinação contra a febre aftosa começou no dia 1° de maio e termina no dia 31 para os proprietários das regiões do Planalto e Fronteira, já os produtores do Pantanal podem imunizar o rebanho até 15 de junho.
 
Em Mato Grosso do Sul a a Iagro (Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal) órgão vinculado a Semagro, é responsável por acompanhar e fiscalizar a vacinação. Conforme o calendário oficial, o registro da vacinação deve ser feito até 15 de junho para produtores do Planalto e Fronteira. Já a região do Pantanal tem até 2 de julho para regularizar o registro no sistema da Iagro. O produtor que deixar de vacinar ou não registrar a vacina estará sujeito a multa.
 
Na ocasião foi assinado pelos presentes um Termo de Cooperação entre a Iagro e o Conselho Regional de Medicina Veterinária visando “a conjugação de esforços para estabelecer o intercâmbio de informações de interesse recíproco com vistas ao aperfeiçoamento das atividades de fiscalização de empresas (…) que desempenhem atividades relacionadas com a produção de produtos de origem animal, laboratório de diagnósticos veterinários e demais empresas da área de biotecnologia da reprodução animal”.
 
Fonte: Da Assessoria | Acrissul