Notícias

Conab revisou para baixo a produção brasileira de milho em 2017/2018

09 de fevereiro de 2018

A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) divulgou no dia 8/2 o quinto levantamento da safra brasileira de grãos 2017/2018.

Houve revisão para baixo da produção de milho no país na temporada atual, tanto na primeira como na segunda safra.

 

Com relação à primeira safra ou safra de verão, a expectativa é de que sejam colhidas 24,74 milhões de toneladas neste ciclo, frente as 25,18 milhões de toneladas estimadas no relatório de janeiro/18.

 

O volume é 18,8% menor que o colhido em 2016/2017. Isto significa 5,72 milhões de toneladas a menos.

 

A área de milho de verão diminuiu 8,9% em 2017/2018 frente à safra passada, enquanto a produtividade média deverá cair 10,8%.

 

Para o milho de segunda safra ou safra de inverno, a Conab estimou 63,26 milhões de toneladas produzidas no país em 2017/2018, frente as 67,17 milhões de toneladas estimadas anteriormente.

 

Em relação a 2016/2017 o volume deverá ser 6,1% menor este ano, equivalente a 4,12 milhões de toneladas a menos na segunda safra.

 

As revisões para baixo com relação às expectativas de área semeada e de produtividade média das lavouras de milho de segunda este ano foram em função do clima menos favorável, principalmente as chuvas em excesso no Brasil Central e no Paraná, que têm atrasado a colheita da safra de verão e, consequentemente, a semeadura do milho de segunda safra.

 

No total o país deverá colher 88,01 milhões de toneladas em 2017/2018, frente as 97,84 milhões de toneladas colhidas em 2016/2017.

 

Por fim, com as revisões para baixo da produção em 2017/2018 e a revisão para cima da demanda interna, estimada em 58,50 milhões de toneladas, frente as 56,16 milhões de toneladas em 2016/2017, os estoques internos foram reduzidos.

 

Estão previstas 18,52 milhões de toneladas ao final de 2017/2018, frente as 23,17 milhões de toneladas estimadas no relatório de janeiro.

 

Lembrando que os estoques de passagem em 2016/2017 foram de 18,61 milhões de toneladas e em 2015/2016 foram de 6,95 milhões de toneladas. 


Fonte: Scot Consultoria
Voltar Imprimir
Deixar um comentário
Nome
Comentário
 

Notícias recentes

Caminhos do Produtor chama sociedade para movimento de caminhoneiros 25 de maio de 2018 O Programa Caminhos do Produtor, que vai ao ar hoje a partir das 22 horas pelo Canal 181 da NET aborda, entre outros assuntos, os reflexos do moviment...
"Não cabe ao Congresso definir preço de combustíveis", diz Eunício 25 de maio de 2018 O presidente do Senado, Eunício Oliveira, disse nesta sexta-feira (25) que não cabe ao Congresso definir preço de combustíveis. Evitando se posici...
Mesmo após acordo, caminhoneiros mantêm 37 pontos de interdição em MS 25 de maio de 2018 Mesmo após acordo com o governo federal, anunciado na noite de ontem (25), os caminhoneiros mantêm 37 pontos de interdição em rodovias federais de...
Na internet, caminhoneiros negam acordo com o governo 25 de maio de 2018 As propostas anunciadas pelo governo federal para tentar conter a manifestação dos caminhoneiros não foi recebida por unanimidade pela categoria. E...
Alta do petróleo encarece exportação de carne 25 de maio de 2018 A alta de preços do petróleo e o aumento de embarques para o Extremo Oriente, principalmente após o embargo russo às proteínas bovina e suína do...
Greve dos caminhoneiros dificulta logística do mercado do boi gordo 25 de maio de 2018 Com as dificuldades de logística, em geral, não há referência no mercado do boi gordo e as escalas pararam de avançar. A última alta do preço d...
ABPA: cadeia de aves e suínos está com 120 plantas frigoríficas paradas 25 de maio de 2018 A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) alerta para o descumprimento de uma promessa feita pelas lideranças dos caminhoneiros, na quarta...