Notícias

Exportações do agro devem bater novo recorde em 2017

14 de novembro de 2017

O agronegócio brasileiro tem demonstrado que 2017 pode ser mais um ano de recorde nas exportações, segundo indicam pesquisadores do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP. De janeiro a setembro deste ano, o volume embarcado cresceu 5,7% quando comparado ao mesmo período de 2016. Os preços em dólar também subiram, 8,3% nesse período. Com isso, as exportações do agronegócio nacional atingiram o valor de US$ 74 bilhões, 9% acima do observado de janeiro a setembro de 2016. Em termos de faturamento em moeda nacional, contudo, o crescimento foi de apenas 1,2%, limitado pela valorização de quase 12% do Real nesse período.

De acordo com pesquisadores do Cepea, o carro-chefe das exportações do agronegócio em 2017 tem sido a soja em grão, com elevação de 23,3% nos embarques nos primeiros nove meses deste ano frente ao mesmo período de 2016. As vendas externas de frutas, carne bovina, celulose e açúcar também registraram crescimento no período de 5,8%, 4,5%, 2% e 0,6%, respectivamente. Já os produtos que apresentaram redução das exportações foram: etanol (34,1%), algodão em pluma (29,7%), suco de laranja (13,6%), milho (10,7%), café (9,0%), farelo de soja (5,8%), carne suína (4,1%), carne de aves (2,1%), óleo de soja (1,2%) e madeira (0,9%).

A China segue como a grande compradora de produtos agro, sendo que o país asiático absorveu 78% das vendas brasileiras da oleaginosa em 2017 (até setembro). O país também é o principal parceiro comercial do Brasil, e suas compras representaram mais de 30% das vendas do agronegócio no período. O setor de carnes também demonstrou bom desempenho em 2017, com o produto bovino apresentando crescimento tanto de volume quanto de preços.

Pesquisadores do Cepea indicam que, em termos de indicadores macroeconômicos, a inflação em queda e a redução nas taxas de juros podem favorecer os investimentos na produção agrícola, o que contribui para que a oferta brasileira de alimentos, fibras e energia continue em expansão. Além disso, a demanda internacional parece se manter firme, com a China demonstrando forte disposição em elevar as compras de alimentos.

Em relação ao Real, a moeda nacional pode ter maior oscilação neste final de 2017 e também no próximo ano, diante do cenário político nacional. Já o desempenho dos preços em dólares dependerá da oferta dos principais produtores mundiais, que tem sido afetada pelo clima e pela demanda, que continua firme, puxada pela China. 


Fonte: Cepea/USP/Esalq
Voltar Imprimir
Deixar um comentário
Nome
Comentário
 

Notícias recentes

Blairo nega que Rússia tenha fechado mercado à carne brasileira após restrições 20 de novembro de 2017  O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, negou nesta segunda-feira que a Rússia tenha fechado seu mercado às carnes brasileiras depois de Mosc...
Artigo - Quer trabalhar na roça? Precisa estudar 20 de novembro de 2017 Edson Bolfe Até pouco tempo, jovens filhos de agricultores e pecuaristas ouviam de seus pais que se não estudassem, teriam que trabalhar na ro...
Mercado do boi gordo fecha primeira quinzena de novembro em alta 20 de novembro de 2017 Normalmente, as sextas-feiras são marcadas por lentidão no mercado do boi gordo onde, usualmente, as indústrias aproveitam para testar o mercado of...
PIB de MS tem o melhor desempenho do país em 2015, mostra IBGE 20 de novembro de 2017 O Produto Interno Bruto (PIB) de Mato Grosso do Sul atingiu R$ 83,1 bilhões em 2015, segundo relatório de contas públicas divulgado hoje, pelo Inst...
Drone: evento apresentará tecnologias do agro no dia 22, em Campo Grande 20 de novembro de 2017 Os veículos aéreos não tripulados vieram para revolucionar o agro no país. A aplicabilidade desses equipamentos é tema do evento ‘Drones e ...
Plantio de soja avança e atinge 73% da área em 2017/18 20 de novembro de 2017 O plantio da safra 2017/18 de soja do Brasil avançou 16 pontos porcentuais em uma semana e atingiu 73% da área prevista até quinta-feira (16/11), i...
Sauditas querem importar mais e investir no país 20 de novembro de 2017 Os sauditas têm interesse em aumentar as importações do Brasil, além de carne de aves e de bovinos e grãos, também de ingredientes para alimenta...