Notícias

Agronegócio quer diminuir número de ações trabalhistas

10 de agosto de 2017

O agronegócio brasileiro já começa a se preparar para as mudanças na legislação trabalhista, que passam a valer a partir de novembro. O desafio, segundo lideranças do setor, está em diminuir o número de ações trabalhistas. A mudança na lei foi um dos temas do 16º Congresso Brasileiro do Agronegócio, realizado nesta segunda-feira, dia 7, em São Paulo.

De acordo com o ex-ministro do Trabalho Almir Pazzianotto, ainda é cedo para avaliar o alcance e as consequências da reforma. “Dentro de um ano, imaginamos que ela traga os resultados que seus autores almejaram, que realmente tudo corra muito bem, mesmo porque o atraso do Brasil é muito grande, e ele tem que recuperar o tempo perdido”, diz.

Pazzianoto afirma ainda que, acima de tudo, é necessário criar uma política que diminua o número de ações trabalhistas no país. “Trata-se de estabelecer uma relação civilizada entre capital e trabalho, o que é dificultado pela legislação vigente, que provoca uma intensa judicialização das relações de trabalho”, diz, completando que é preciso procurar resolver os conflitos direta ou coletivamente entre as partes.

“Dentro do agronegócio, o empresário tem que fazer uma revisão das suas contratações, examinar o que conflita com a lei nova ou não, e aí ter uma maior aproximação do seu sindicato e trabalhadores, negociar as condições de trabalho locais, entender as peculiaridades”, afirma o advogado trabalhista e professor da Fundação Getúlio Vargas Sólon de Almeida Cunha.

Para representantes do setor agropecuário, discutir a importância da modernização das relações de trabalho no campo é fundamental para estimular a competitividade da economia e reduzir custos da cadeia produtiva. Mas existe o receio de que as mudanças aprovadas não sejam definitivas. Para o presidente da Associação Brasileira do Agronegócio (Abag), Luiz Carlos Corrêa Carvalho, a principal preocupação é que haja recuo em relação ao fim da contribuição sindical. “É nosso temor que ponto as negociações políticas possam influenciar negativamente na mudança do sistema trabalhista”.


Fonte: Canal Rural
Voltar Imprimir
Deixar um comentário
Nome
Comentário
 

Notícias recentes

Cheia do Aquidauana já se equipara à de 2011, maior registrada; Miranda também pode transbordar 23 de fevereiro de 2018 O rio Aquidauana amanheceu com volume de água superior a 10 metros acima do nível e já não é possível mensurar porque a régua está submersa. A...
Governo do Estado repassa R$ 90 mil à Fundapam para realização da Dinapec 23 de fevereiro de 2018 O Governo do Estado, por meio da Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar), repassou R$ 90 ...
EUA estimam 90 milhões de acres tanto para soja quanto para milho em 2018/2019 23 de fevereiro de 2018 Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) divulgou nesta quinta-feira (22/2), suas estimativas para o plantio da safra 2018/2019 do país....
Safra de soja na Argentina sofre corte de 5 milhões de toneladas 23 de fevereiro de 2018 A Bolsa de Comércio de Rosario (BCR) reduziu em 5,5 milhões de toneladas a sua previsão de produção de soja da Argentina em 2017/2018 para 46,5 m...
Produção brasileira de carne bovina crescerá 5% em 2018, diz Rabobank 23 de fevereiro de 2018 Impulsionada pela maior oferta de vacas que serão destinadas ao abate, a produção brasileira de carne bovina deverá crescer 5% em 2018, de acordo ...
Índia deve se tornar principal exportador de carne bovina 23 de fevereiro de 2018 As principais mudanças no poder dos países exportadores no setor de carne e gado na última década foram identificadas na nova análise estatístic...
Licenciamento Ambiental de Bovinocultura no Estado de São Paulo 23 de fevereiro de 2018 O número de animais confinados aumentou no Brasil. Isto é justificado pelo aumento do preço das terras e a competição com outras culturas agríco...