Notícias

Estresse térmico afeta a composição do leite

19 de junho de 2017

O estresse térmico, mesmo em baixos níveis, pode impactar significativamente sobre a produção e o bem-estar do rebanho leiteiro. Esta foi a conclusão de um estudo efetuado pela Lallemand Animal Nutrition.

Durante vários anos, a fabricante de alimentos e suplementos para a nutrição e a saúde animal procurou identificar e acompanhar os indicadores relevantes para avaliar a eficiência ruminal nos rebanhos e ajudar os agricultores a gerenciar seus rebanhos para otimizar a produção e o bem-estar. Esta abordagem permitiu coletar milhares de dados de diferentes regiões e diferentes sistemas de produção. Após a compilação, os dados obtidos das fazendas leiteiras sobre o estresse moderado ou severos mostram que em período de estresse térmico, diferentes indicadores foram afetados:

– A matéria gorda do leite, na relação TB/TP aparecem significativamente mais baixas em relação às outras estações, deixando evidente uma redução da eficácia ruminal;

O percentual de vacas com uma boa nota de escore corporal é menor;

O percentual de vacas saudáveis também cai;

A análise do esterco mostra redução na eficácia da digestão: alimentos não digeridos no esterco aumentam no verão, com a presença de cereais não digeridos;

O número de células somáticas do leite é significativamente maior, um indicador particularmente afetado pelas condições ruminais medíocres, que reflete igualmente, alterando o estado antioxidante.

A eficácia ruminal claramente afetada

Além disso, um recente estudo da Penn State Etyension revela uma correlação clara entre o nível do estresse térmico (indicador THI), o tempo diário de ruminação e a produção de leite. De acordo com o estudo, o aumento de 10 pontos do THI, a ruminação cai uma hora por dia e a produção de leite 2,7 kg/dia.

Aurélien Piron, técnico de ruminantes da Lallemand Animal Nutrition Comenta: “A eficácia ruminal é claramente afetada pelo estresse térmico. Portanto, além da utilização de métodos de redução de calor, recomendamos trabalhar intensamente para otimizar a função ruminal adaptando a ração (qualidade da fibra, e a dieta rica em energia, forragem de boa qualidade) e observando a estratégia de alimentação”.


Fonte: Portal Lácteo
Voltar Imprimir
Deixar um comentário
Nome
Comentário
 

Notícias recentes

Após 8 anos livre, Colômbia detecta foco de aftosa 26 de junho de 2017 A Colômbia registrou seu primeiro foco de febre aftosa desde 2009, quando o país foi declarado livre da enfermidade que afeta o gado. O caso pode im...
"A JBS manipula o mercado nos Estados Unidos", diz carta de associação 26 de junho de 2017 “Se as acusações estiverem corretas, então a JBS zombou das leis dos Estados Unidos. Se construiu seu império utilizando meios ilegais, ele ...
Carne brasileira teme novas restrições estrangeiras 26 de junho de 2017 Os próximos dias serão tensos para a cadeia da carne brasileira. O setor torce para que mercados com mais peso, como o Japão e a União Europeia, p...
É improvável que vacina cause abscesso em carne, diz indústria veterinária 26 de junho de 2017 Não é provável que a vacina seja a causa de abscessos encontrados pelo governo dos Estados Unidos na carne brasileira, problema este citado como um...
Carne do Brasil não oferece risco aos EUA, diz governo; vacina em xeque 26 de junho de 2017 Os problemas apontados pelos Estados Unidos em relação à carne brasileira não oferecem risco à saúde pública e há indicações de que os absce...
Pecuaristas gastam até 600 milhões por ano com vacina da aftosa 26 de junho de 2017 Sebastião Guedes, vice-presidente do Conselho Nacional de Pecuária de Corte (CNPC), afirma que o embargue de carne brasileira pelos Estados Unidos, ...
Formação de abscessos pode estar relacionado a problemas de manejo, afirma pecuarista 26 de junho de 2017 A formação de abscessos, principal argumento utilizado pelo governo norte-americano para suspender a importação de carne in natura do Brasil, pode...