Notícias

Estresse térmico afeta a composição do leite

19 de junho de 2017

O estresse térmico, mesmo em baixos níveis, pode impactar significativamente sobre a produção e o bem-estar do rebanho leiteiro. Esta foi a conclusão de um estudo efetuado pela Lallemand Animal Nutrition.

Durante vários anos, a fabricante de alimentos e suplementos para a nutrição e a saúde animal procurou identificar e acompanhar os indicadores relevantes para avaliar a eficiência ruminal nos rebanhos e ajudar os agricultores a gerenciar seus rebanhos para otimizar a produção e o bem-estar. Esta abordagem permitiu coletar milhares de dados de diferentes regiões e diferentes sistemas de produção. Após a compilação, os dados obtidos das fazendas leiteiras sobre o estresse moderado ou severos mostram que em período de estresse térmico, diferentes indicadores foram afetados:

– A matéria gorda do leite, na relação TB/TP aparecem significativamente mais baixas em relação às outras estações, deixando evidente uma redução da eficácia ruminal;

O percentual de vacas com uma boa nota de escore corporal é menor;

O percentual de vacas saudáveis também cai;

A análise do esterco mostra redução na eficácia da digestão: alimentos não digeridos no esterco aumentam no verão, com a presença de cereais não digeridos;

O número de células somáticas do leite é significativamente maior, um indicador particularmente afetado pelas condições ruminais medíocres, que reflete igualmente, alterando o estado antioxidante.

A eficácia ruminal claramente afetada

Além disso, um recente estudo da Penn State Etyension revela uma correlação clara entre o nível do estresse térmico (indicador THI), o tempo diário de ruminação e a produção de leite. De acordo com o estudo, o aumento de 10 pontos do THI, a ruminação cai uma hora por dia e a produção de leite 2,7 kg/dia.

Aurélien Piron, técnico de ruminantes da Lallemand Animal Nutrition Comenta: “A eficácia ruminal é claramente afetada pelo estresse térmico. Portanto, além da utilização de métodos de redução de calor, recomendamos trabalhar intensamente para otimizar a função ruminal adaptando a ração (qualidade da fibra, e a dieta rica em energia, forragem de boa qualidade) e observando a estratégia de alimentação”.


Fonte: Portal Lácteo
Voltar Imprimir
Deixar um comentário
Nome
Comentário
 

Notícias recentes

Pagamentos acima da referência são comuns no mercado do boi gordo 17 de agosto de 2017 Mercado em alta em todo o país.É a oferta curta que dita o ritmo. São os animais de cocho que garantem a maior parte da escala das indústrias. Ani...
Em MS 70% do milho 2ª safra já foi colhido 17 de agosto de 2017 Em Mato Grosso do Sul, 70% do milho da 2ª safra 2016/2017 já foi colhido, de acordo com a Circular Técnica nº 222, do Siga MS (Sistema de ...
Boi: Preço da arroba aumenta em todo o país 17 de agosto de 2017 As cotações da arroba do boi gordo estão em alta em todas as regiões acompanhadas pelo Cepea. Segundo pesquisadores do Cepea, as valorizações es...
Multas ambientais serão pagas com serviços e compra de cotas 17 de agosto de 2017 O Programa de Regularização Ambiental (PRA) deve ser autodeclaratório e as multas serão convertidas em serviços ambientais. Essas novidades foram...
Mato Grosso do Sul recebe Rally da Pecuária 16 de agosto de 2017 A Equipe 7 do Rally da Pecuária 2017 está no Mato Grosso do Sul na última semana da expedição para avaliar a produtividade do pecuarista sul-mato...
Preços do boi gordo continuam subindo no Brasil e tendência de alta é consistente 16 de agosto de 2017 Lygia Pimentel, consultora da Agrifatto, destaca que, no mercado do boi gordo, as escalas estão em processo de encurtamento, tendo em vista que há u...
Embaladas pelo mercado do boi gordo, as negociações começam a esquentar no mercado de reposição 16 de agosto de 2017 Com o cenário de firmeza no mercado do boi gordo, a procura de animais para reposição começa a aumentar.É fato que as negociações ainda ocorrem...