Notícias

Crise política poderia provocar efeitos colaterais no agro e ganhos com alta do dólar ficariam anula

19 de maio de 2017

O economista Antônio da Luz aponta que o dia de ontem foi um "dia triste pra história do brasil e pra economia brasileira". "Como cidadão todo mundo deve ficar feliz pela Lava Jato cumprir mais uma etapa do seu papel, mas quem paga essa conta é a sociedade e os produtores rurais são empresários, antes de qualquer coisa, e pagam a conta do que está acontecendo", diz o economista.

No que diz respeito à economia, ele lembra que o Brasil ainda está atravessando a maior depressão econômica da sua história, com 9 milhões de brasileiros procurando emprego e que "as coisas vinham começando a engrenar", em fatores como inflação e juros.

Para que essa situação de retomada de economia não se perca, há uma grande pergunta em questão: como o ambiente político pode ser separado do ambiente do econômico. Neste momento, o economista aponta que é difícil separar e que é muito complicado não esperar uma contaminação desse cenário, mas que há uma capacidade de recuperar.

A renúncia de Temer, para Luz, é um passo para a saída. No entanto, o substituto também seria importante. Para que o Brasil começasse a decolar, a renúncia seria necessária a partir de amanhã, com o Congresso Nacional abraçando um nome que fosse próximo do consenso e que desse segurança para o mercado. Para ele, um bom nome seria o atual Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, que assumiria um papel de pacificação.

Na linha de sucessão, estaria o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM). Para Luz, isso faz parte das questões negativas do presidencialismo, já que Maia também está envolvido na Lava Jato e a economia não aguentaria um "terceiro impeachment".

Agronegócio

A alta do dólar deixou alguns produtores felizes, principalmente aqueles que exportam. O economista lembra que o dólar não tem limites, mas quer que os produtores reflitam que quando o câmbio passou dos R$4,00, o "ambiente político estava muito ruim", com um cenário econômico que possuía uma projeção de inflação a 11% ao ano, juros subindo e confiança do empresário em níveis negativos recordes.

O cenário político, entretanto, é parecido, mas o cenário econômico, não. Ele acredita que hoje não há elementos para afirmar que o dólar pode chegar a R$4,00. Entretanto, diante das circunstâncias, já há um novo patamar de dólar no Brasil.

A certeza que há para o agronegócio, porém, é o aumento do custo. Os preços das commodities sobem e descem com o câmbio, mas o preço dos insumos caem apenas lentamente.

Ele destaca que o consumo de alimentos, por conta da crise econômica, caiu de forma generalizada, de forma que esse custo não consegue ser passado para frente.

Além disso, sem dinheiro privado, não é possível ter uma boa infraestrutura boa. "E privado, neste ambiente, não investe", diz o economista. "Estamos adiando, mais uma vez, a melhoria na nossa infraestrutura".

Luz salienta ainda que outros pontos, como a reforma da previdência, a reforma trabalhista e a MP do Fundo de Apoio ao Trabalhador Rural (Funrural) ficarão em espera neste momento. "O câmbio mais alto é bom por um lado, mas não vamos pensar que só tem lado bom", diz.


Fonte: Notícias Agrícolas
Voltar Imprimir
Deixar um comentário
Nome
Comentário
 

Notícias recentes

3ª Etapa Copa Acrissul de Laço Comprido acontece nessa semana 27 de junho de 2017 Neste fim de semana, entre os dias 30 de junho e 01 e 02 de julho, o Parque de Exposições Laucídio Coelho recebe a 3ª etapa da Copa Acrissul d...
Americanos criam Uber de tratores, pulverizadores e colheitadeiras 27 de junho de 2017 O aluguel de máquinas agrícolas não é novidade. Até mesmo aqui no Brasil, várias pessoas alugam tratores e colheitadeiras para vizinhos, nos mai...
Carne bovina aos EUA: Fiscais afirmam que suspensão é resultado de carências da área 27 de junho de 2017 O Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais Federais Agropecuários (Anffa Sindical) afirma que a suspensão das importações de carne in natura pelos...
Governo do MS quer medidas mais restritivas contra ferrugem asiática da soja 27 de junho de 2017 O governo de Mato Grosso do Sul quer medidas mais restritivas na legislação, para prevenir e controlar a doença vegetal, chamada de ferrugem asiát...
Fazendeira e indígenas firmam acordo sobre terra ocupada em MS 27 de junho de 2017 O Ministério Público Federal (MPF) em Três Lagoas intermediou acordo entre os indígenas Ofayé-Xavante e a proprietária da Fazenda Santana, em Br...
Boi: Mercado futuro atinge menor valor já negociado 27 de junho de 2017 O contrato futuro do boi gordo para out/17 atingiu na última semana o menor valor desde que começou a ser negociado. Já é fato que a bovinocultura...
Após 8 anos livre, Colômbia detecta foco de aftosa 26 de junho de 2017 A Colômbia registrou seu primeiro foco de febre aftosa desde 2009, quando o país foi declarado livre da enfermidade que afeta o gado. O caso pode im...