Notícias

Crise política poderia provocar efeitos colaterais no agro e ganhos com alta do dólar ficariam anula

19 de maio de 2017

O economista Antônio da Luz aponta que o dia de ontem foi um "dia triste pra história do brasil e pra economia brasileira". "Como cidadão todo mundo deve ficar feliz pela Lava Jato cumprir mais uma etapa do seu papel, mas quem paga essa conta é a sociedade e os produtores rurais são empresários, antes de qualquer coisa, e pagam a conta do que está acontecendo", diz o economista.

No que diz respeito à economia, ele lembra que o Brasil ainda está atravessando a maior depressão econômica da sua história, com 9 milhões de brasileiros procurando emprego e que "as coisas vinham começando a engrenar", em fatores como inflação e juros.

Para que essa situação de retomada de economia não se perca, há uma grande pergunta em questão: como o ambiente político pode ser separado do ambiente do econômico. Neste momento, o economista aponta que é difícil separar e que é muito complicado não esperar uma contaminação desse cenário, mas que há uma capacidade de recuperar.

A renúncia de Temer, para Luz, é um passo para a saída. No entanto, o substituto também seria importante. Para que o Brasil começasse a decolar, a renúncia seria necessária a partir de amanhã, com o Congresso Nacional abraçando um nome que fosse próximo do consenso e que desse segurança para o mercado. Para ele, um bom nome seria o atual Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, que assumiria um papel de pacificação.

Na linha de sucessão, estaria o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM). Para Luz, isso faz parte das questões negativas do presidencialismo, já que Maia também está envolvido na Lava Jato e a economia não aguentaria um "terceiro impeachment".

Agronegócio

A alta do dólar deixou alguns produtores felizes, principalmente aqueles que exportam. O economista lembra que o dólar não tem limites, mas quer que os produtores reflitam que quando o câmbio passou dos R$4,00, o "ambiente político estava muito ruim", com um cenário econômico que possuía uma projeção de inflação a 11% ao ano, juros subindo e confiança do empresário em níveis negativos recordes.

O cenário político, entretanto, é parecido, mas o cenário econômico, não. Ele acredita que hoje não há elementos para afirmar que o dólar pode chegar a R$4,00. Entretanto, diante das circunstâncias, já há um novo patamar de dólar no Brasil.

A certeza que há para o agronegócio, porém, é o aumento do custo. Os preços das commodities sobem e descem com o câmbio, mas o preço dos insumos caem apenas lentamente.

Ele destaca que o consumo de alimentos, por conta da crise econômica, caiu de forma generalizada, de forma que esse custo não consegue ser passado para frente.

Além disso, sem dinheiro privado, não é possível ter uma boa infraestrutura boa. "E privado, neste ambiente, não investe", diz o economista. "Estamos adiando, mais uma vez, a melhoria na nossa infraestrutura".

Luz salienta ainda que outros pontos, como a reforma da previdência, a reforma trabalhista e a MP do Fundo de Apoio ao Trabalhador Rural (Funrural) ficarão em espera neste momento. "O câmbio mais alto é bom por um lado, mas não vamos pensar que só tem lado bom", diz.


Fonte: Notícias Agrícolas
Voltar Imprimir
Deixar um comentário
Nome
Comentário
 

Notícias recentes

Pecuaristas pedem ajuda ao Governo para escoar produção de leite 21 de setembro de 2017 Pecuaristas querem que a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) compre 50 mil toneladas de leite em pó, para ajudar a melhorar o preço pago pel...
Mais de 40 mil produtores podem ficar sem a subvenção do seguro rural 21 de setembro de 2017 O governo já reconhece que pode faltar recursos para o seguro rural deste ano. Com isso, mais de 40 mil produtores podem ficar sem a subvenção do g...
Produção brasileira de carne bovina deve ter leve alta em 2017, crescer 3-4% em 2018 21 de setembro de 2017 A produção de carne bovina no Brasil deve crescer entre 3% e 4% em 2018, segundo estimativa de analistas do Rabobank divulgada em relatório na quar...
Boi: Com inseguranças no setor, preço segue em queda 21 de setembro de 2017 O Indicador ESALQ/BM&FBovespa do boi gordo recuou 1,6% entre 13 e 20 de setembro, fechando a R$ 141,60 nessa quarta-feira, 20. Isso porque a inseg...
MS: Próxima safra de soja deve ter ajuste e produção de 8,3 milhões de toneladas 21 de setembro de 2017 Apesar da última safra de soja em Mato Grosso do Sul ter sido recorde em produção, com boa colheita e ótima produtividade, a estimativa para 2017/...
Frigoríficos voltam às compras, mas demanda ruim pressiona o mercado do boi gordo 21 de setembro de 2017 Aos poucos, as indústrias estão voltando às compras. Porém, mesmo com os frigoríficos afastados das negociações nos últimos dias, as empresas ...
Convocação Eleição Acrissul 20 de setembro de 2017 Caríssimo Associado,Por todo tipo de apoio recebido, registramos mais uma vez nossos melhores agradecimentos.É chegada a hora, Estatutariamente, de ...