Notícias

JBS pode mudar de nome

19 de maio de 2017

A crise instaurada nesta semana após as revelações bombásticas de um dos donos da JBS, Joesley Batista, sobre Michel Temer e Aécio Neves vão além do universo político. Elas podem provocar mudanças drásticas na maior empresa de proteína animal do planeta.

“A JBS não vai desaparecer, mas vai emagrecer; e muito. Meu vaticínio [diagnóstico] é mudar de nome e de direção, pois a crise de credibilidade abala mercados do mundo inteiro”, analisa o economista José Pio Martins, reitor da Universidade Positivo.

A avaliação de Pio Martins é seguida por um dos maiores consultores em gestão de crises do Brasil: João José Forni. “Há sim especulações de mudar o nome. Quando a marca chega a um desgaste tão grande, a conclusão é de que a mudança traz um desgaste menor”, opina.

Cadeia fornecedora também é impactada

Para o economista José Pio Martins, os fornecedores da JBS que trabalham diretamente com o agronegócio também devem ficar atentos. Segundo ele, quando há um problema relacionado a uma empresa, há a impressão de que o cooperado da empresa pode passar a fornecer para outras indústrias. “Mas tem, além de tudo, o problema logístico, da distribuição. Então, há todo um custo envolvido que afeta sim fornecedores e associados financeiros, comerciais e logísticos. A cadeia como um todo sofre”, finaliza.

Impacto na visão da qualidade

Segundo o reitor da UP, o abalo de confiança é mais grave em uma empresa do setor alimentício do que em companhias de outros setores. “Uma crise política pode sim impactar a visão do consumidor em relação à qualidade dos produtos”, avalia.

Para o economista, há consumidores que seguem o seguinte raciocínio: se uma empresa está envolvida nesse tipo de escândalos políticos, poderia também ‘vacilar’ na questão sanitária. “Ainda mais após dois problemas graves: o envolvimento na Operação Carne Fraca, onde há um problema sanitária , e agora uma forte crise política e financeira. Isso acaba mostrando uma empresa problemática em seu comportamento”, afirma Pio Martins.

Forni destaca que a reputação da marca chegou a um ponto crítico. “O problema é que essa crise de imagem vem do fim do governo do PT, em face do trânsito [de financiamentos] junto ao BNDES”, diz. Para ele, o desgaste da delação premiada acabou consumindo a marca.

Neste sentido, além da mudança de nome, outra recomendação é, imediatamente, ser o mais transparente possível perante a opinião pública, funcionários, fornecedores e acionistas. “Uma das máximas da gestão de crise é que, para consertar o erro, você precisa começar a contar toda a verdade. A chance de reconstrução é muito melhor”, completa.

A JBS e o mundo

Ambos os analistas também concordam em outro fator: por ser multinacional, a crise ultrapassa fronteiras. “No exterior essas situações não são ‘engolidas’ com simplicidade. Aqui temos a impressão de que ‘isso passa’, mas ‘lá fora’ as empresas são muito mais vigiadas”, fala Forni.

“A crise de confiança é pior quando falamos no setor alimentício, e a JBS está nesse ramo, que é de alta sensibilidade. É um setor em que o Brasil exporta para mais de 150 países, entre elas nações desenvolvidas que não brincam com controles sanitários e de qualidade”, avalia José Pio Martins.

O economista acredita que certamente a JBS vai recuar em suas decisões de abertura de capital, que estava sendo avalia nos Estados Unidos, e que foram suspensas nesta semana em comunicado da própria empresa. “Existem muitas regras”, diz. E vai além: o mercado de ações deve ser afetado como um todo. “Quando uma empresa entra em uma situação dessas, os fundos suspendem as operações à espera dos desdobramentos. Você puxa uma pena e vai a galinha inteira”, compara metaforicamente.


Fonte: Gazeta do Povo
Voltar Imprimir
Deixar um comentário
Nome
Comentário
 

Notícias recentes

Pecuaristas pedem ajuda ao Governo para escoar produção de leite 21 de setembro de 2017 Pecuaristas querem que a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) compre 50 mil toneladas de leite em pó, para ajudar a melhorar o preço pago pel...
Mais de 40 mil produtores podem ficar sem a subvenção do seguro rural 21 de setembro de 2017 O governo já reconhece que pode faltar recursos para o seguro rural deste ano. Com isso, mais de 40 mil produtores podem ficar sem a subvenção do g...
Produção brasileira de carne bovina deve ter leve alta em 2017, crescer 3-4% em 2018 21 de setembro de 2017 A produção de carne bovina no Brasil deve crescer entre 3% e 4% em 2018, segundo estimativa de analistas do Rabobank divulgada em relatório na quar...
Boi: Com inseguranças no setor, preço segue em queda 21 de setembro de 2017 O Indicador ESALQ/BM&FBovespa do boi gordo recuou 1,6% entre 13 e 20 de setembro, fechando a R$ 141,60 nessa quarta-feira, 20. Isso porque a inseg...
MS: Próxima safra de soja deve ter ajuste e produção de 8,3 milhões de toneladas 21 de setembro de 2017 Apesar da última safra de soja em Mato Grosso do Sul ter sido recorde em produção, com boa colheita e ótima produtividade, a estimativa para 2017/...
Frigoríficos voltam às compras, mas demanda ruim pressiona o mercado do boi gordo 21 de setembro de 2017 Aos poucos, as indústrias estão voltando às compras. Porém, mesmo com os frigoríficos afastados das negociações nos últimos dias, as empresas ...
Convocação Eleição Acrissul 20 de setembro de 2017 Caríssimo Associado,Por todo tipo de apoio recebido, registramos mais uma vez nossos melhores agradecimentos.É chegada a hora, Estatutariamente, de ...


Foto: Jonathan Campos/Gazeta do Povo
Envolvida em escandâlos, JBS deve fazer alterações em curto prazo para ‘salvar a marca’