Notícias

Aplicativos de mensagem ajudam produtor a superar crise pós operação carne fraca

20 de abril de 2017

O preço da arroba bovina vem se recuperando diariamente. Através de grupo em aplicativo de mensagem instantânea, os pecuaristas se organizaram e conseguem ter informação rápida e precisa sobre o andamento do mercado em diversas regiões do país.

Segundo o coordenador do grupo Pecuária Bauru (GPB), Oswaldo Furlan, nesta semana foi possível observar valorizações do boi gordo nos estados do norte, centro-oeste e sudeste. "Hoje tivemos a notícia de boi negociado a R$ 135/@ no Mato Grosso e, um negócio em São Paulo por R$ 145/@", conta.

Desde a deflagração da operação Carne Fraca, da Polícia Federal, a cotação do boi gordo caiu em média R$ 7 em todo o país. O recuo expressivo motivou a postura de retenção dos produtores, na espera de melhores preços. "Quando a operação saiu, conseguimos nos organizar para fazer a venda apenas das necessidades financeiras. Agora, já é possível notar certa estabilidade desde a operação", ressalta Furlan.

Entre os cerca de 800 produtores que participam do grupo, a maioria não espera uma alta expressiva nas cotações, contudo, a expectativa é de recuperar o patamar praticado antes da Carne Fraca.

E mesmo cautelosos na venda, os produtores não temem a concentração da oferta represada na chegada da seca. Na visão do GPB, a demanda interna e externa retornou a normalidade e, a organização da classe permitirá manter o mercado estável. "Através do grupo, conseguimos coordenar as entregas de forma gradual", ressalta.

Furlan também conta que a paradeira dos grandes frigoríficos foi benéfica para as indústrias de médio e pequeno porte, "que puderam aumentar o volume de abate diário, saindo da ociosidade."

Segundo ele, após a operação houve uma mudança de comportamento do consumidor, preferindo carne in natura, em detrimento das industrializadas.

GPB

O grupo Pecuária Bauru foi criado há três anos, inicialmente em Bauru, interior de São Paulo, "com intenção de levar conhecimento, trocar de informações e experiências do campo", conta Furlan.

Atualmente o conjunto conta com a participação de 800 pecuaristas, em aproximadamente 12 estados brasileiros, onde é possível coordenar compras coletivas de insumos e vendas de animais.


Fonte: Notícias Agrícolas
Voltar Imprimir
Deixar um comentário
Nome
Comentário
 

Notícias recentes

Após 8 anos livre, Colômbia detecta foco de aftosa 26 de junho de 2017 A Colômbia registrou seu primeiro foco de febre aftosa desde 2009, quando o país foi declarado livre da enfermidade que afeta o gado. O caso pode im...
"A JBS manipula o mercado nos Estados Unidos", diz carta de associação 26 de junho de 2017 “Se as acusações estiverem corretas, então a JBS zombou das leis dos Estados Unidos. Se construiu seu império utilizando meios ilegais, ele ...
Carne brasileira teme novas restrições estrangeiras 26 de junho de 2017 Os próximos dias serão tensos para a cadeia da carne brasileira. O setor torce para que mercados com mais peso, como o Japão e a União Europeia, p...
É improvável que vacina cause abscesso em carne, diz indústria veterinária 26 de junho de 2017 Não é provável que a vacina seja a causa de abscessos encontrados pelo governo dos Estados Unidos na carne brasileira, problema este citado como um...
Carne do Brasil não oferece risco aos EUA, diz governo; vacina em xeque 26 de junho de 2017 Os problemas apontados pelos Estados Unidos em relação à carne brasileira não oferecem risco à saúde pública e há indicações de que os absce...
Pecuaristas gastam até 600 milhões por ano com vacina da aftosa 26 de junho de 2017 Sebastião Guedes, vice-presidente do Conselho Nacional de Pecuária de Corte (CNPC), afirma que o embargue de carne brasileira pelos Estados Unidos, ...
Formação de abscessos pode estar relacionado a problemas de manejo, afirma pecuarista 26 de junho de 2017 A formação de abscessos, principal argumento utilizado pelo governo norte-americano para suspender a importação de carne in natura do Brasil, pode...