Notícias

Agricultores estão deixando a atividade, mas o agronegócio gera emprego (por MARCOS YANK)

20 de março de 2017

Durante muitos anos, grandes volumes de recursos públicos foram investidos na falsa premissa de que seria possível expandir o emprego no setor rural brasileiro.

No terceiro artigo da série "agrofalácias", começo mostrando que décadas de projetos de colonização, desapropriações de terras e assentamentos não conseguiram conter o movimento contínuo de migração do campo para a cidade.

Desde 1995, 88 milhões de hectares foram adquiridos ou desapropriados para fins de reforma agrária no Brasil, área que equivale a 1,5 vez o território da França. Isso sem contar os gastos com infraestrutura, crédito, educação, assistência técnica e agroindustrialização de pequena escala. O Incra fala em mais de 9.000 assentamentos, que teriam beneficiado quase 1 milhão de famílias.

Mesmo sem estatísticas confiáveis, sabe-se que a produção resultante dessa imensa quantidade de assentamentos é irrelevante, se comparada à que resultou da fenomenal revolução tecnológica que ocorreu na agricultura comercial no mesmo período. A reforma agrária brasileira fracassou rotundamente no objetivo de garantir trabalho e renda oriundos da produção agropecuária.

Ocorre que as últimas quatro décadas foram marcadas pela dualidade. De um lado, a explosão da produção e da produtividade da agricultura comercial, que resultou da profissionalização do produtor, das inovações tropicais brasileiras e da crescente complexidade organizacional e de gestão dos sistemas agroindustriais. Do outro, um crescente esvaziamento populacional no campo, em razão do êxodo rural e da rápida urbanização do país.

Os pesquisadores Eliseu Alves e Daniela Rocha mostram que 87% do valor total da produção agropecuária brasileira se origina de 500 mil estabelecimentos rurais, que representam 11% dos 4,5 milhões de estabelecimentos rurais registrados no mais recente Censo Agropecuário. E um dado ainda mais impressionante: apenas 27 mil estabelecimentos respondem por 51% do valor da produção agropecuária brasileira.

Só que esse fenômeno não é exclusivo do Brasil: não há um único país no mundo que tenha conseguido conter o êxodo rural e a inevitável urbanização, mesmo aqueles que sempre subsidiaram maciçamente os seus agricultores, como os Estados Unidos, a Europa e o Japão, ou a China, neste momento. Curiosamente, a relação de menos de 15% dos agricultores responderem por 90% da produção é também observada nos EUA e na União Europeia.

Não está errado afirmar que 80% dos atuais produtores correm o risco de desaparecer nas próximas décadas. Metade desse contingente vive no Nordeste rural e é formada por famílias envelhecidas, jovens que abandonam o campo e uma renda média mensal familiar que não passa de meio salário mínimo. Nesse grupo, o que realmente segura essas famílias no campo não é a atividade agropecuária, mas as aposentadorias rurais e as transferências sociais. Ou seja, uma realidade instável e sem horizonte de continuidade.

Mas o curioso é que o emprego nos demais elos das cadeias do agronegócio hoje já ultrapassa o das propriedades rurais. E essas empresas reclamam muito da falta de mão de obra qualificada, da legislação trabalhista anacrônica que não atende às especificidades do setor e das interpretações ambíguas feitas por fiscais e juízes, que levam os empresários a querer evitar contratações.

Em suma, é preciso parar de aplicar os recursos em programas falidos e concentrá-los em políticas que realmente gerem renda e emprego. O que falta no agronegócio não é emprego, mas, sim, condições adequadas para empregar. É urgente reformar a lei trabalhista, de forma que o sucesso do agro brasileiro no mundo beneficie o maior número de brasileiros.

(*) Marcos Sawaya Jank é especialista em questões globais do agronegócio. Escreve na FOLHA DE S. PAULO aos sábados, a cada duas semanas.


Fonte: Folha de S. Paulo
Voltar Imprimir
Deixar um comentário
Nome
Comentário
 

Notícias recentes

Exportação sustenta arroba, mas consumo interno fraco pressiona a carne 19 de abril de 2018 Colaboradores do Cepea esperavam que, em 2018, as cotações da arroba e da carne de boi se recuperassem, baseados em projeções que indicavam uma re...
Suspensão de plantas de aves deve afetar o mercado do boi 19 de abril de 2018 O recente anúncio da União Europeia (UE) de proibir a importação de carne de frango de 20 frigoríficos brasileiros em função da presença de n...
Cenário do boi gordo é de transição e incerteza 19 de abril de 2018 O mercado do boi gordo pode ter iniciado um ciclo positivo com o aumento da demanda por carne neste mês e o retorno dos índices de intenção de con...
Mercado do boi gordo perdendo força 18 de abril de 2018 Com a entrada da segunda quinzena do mês, os frigoríficos, com o intuito de ajustar os estoques à demanda vigente, compram com cautela.Com a demand...
Tendência de mudança no rumo do mercado de reposição 18 de abril de 2018 A procura por bovinos de reposição tem ganhado melhor ritmo em relação às últimas semanas, mas ainda não tem sido suficiente para reverter a te...
Carta Conjuntura - Brasil embarcará volume histórico de carne bovina em 2018 18 de abril de 2018 De acordo com as projeções do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos – USDA, o volume de carne bovina comercializado mundialmente atin...
Índia vai importar do Brasil embriões bovinos e suínos vivos para reprodução 18 de abril de 2018 A autoridade sanitária da Índia oficializou a importação de embriões bovinos e de suínos vivos do Brasil. A aprovação de certificados sanitár...