Notícias

Temer tenta acalmar temores sobre qualidade da carne após operação da PF

20 de março de 2017

O presidente Michel Temer se reuniu no domingo com ministros, executivos e diplomatas estrangeiros para acalmar as preocupações com a qualidade da carne brasileira, após a revelação de um escândalo de fraude em fiscalizações em um setor responsável por 12 bilhões de dólares em exportações por ano.

As reuniões convocadas às pressas, após a deflagração na sexta-feira da operação Carne Fraca da Polícia Federal, representaram uma tentativa do presidente de proteger um dos principais setores da economia do país, que enfrenta dois anos de recessão.

O escândalo de fraude em inspeções derrubou as ações das gigantes do setor JBS e BRF, depois que ambas foram alvo da operação da PF ao lado de dezenas de outras empresas menores do setor.

Em discurso a diplomatas da Europa, Estados Unidos, China e outros países, Temer disse que o governo brasileiro "reitera sua confiança na qualidade do produto nacional, que tem conquistado o consumidor e obtido aprovação dos mercados mais exigentes do ponto de vista de fiscalização e defesa agropecuária".

Temer, que inclusive levou alguns diplomatas a uma churrascaria de Brasília após a reunião, disse que as ações foram isoladas. O presidente tentou minimizar temores sobre falhas sistêmicas no setor, e disse que investigadores irão acelerar os inquéritos.

Ele ressaltou que as ações de sexta-feira afetaram apenas 21 dos mais de 4.800 frigoríficos em operação. Apenas 33 de mais de 11.000 inspetores, acrescentou, estão sendo investigados.

"O objeto de apuração não é o sistema de defesa agropecuária, cujo rigor é reconhecido, mas alguns poucos desvios de conduta", afirmou o presidente em nota oficial após o encontro, acrescentando que o governo reiterou às missões estrangeiras que "todas as plantas exportadoras permanecem abertas às inspeções dos países importadores e ao acompanhamento das atividades do sistema nacional de controle".

Apesar de a Polícia Federal ter afirmado que foi vendida carne estragada e adulterada, o secretário de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, Luis Eduardo Rangel, afirmou: "Não há risco sanitário".

Apesar da ofensiva do governo em defesa da carne brasileira, alguns clientes permaneceram preocupados.

"Você não pode brincar com comida", disse André Regli, embaixador da Suíça no Brasil, acrescentando que os problemas são "preocupantes".

No sábado, autoridades da União Europeia disseram que enviaram duas cartas ao governo brasileiro pedindo detalhes sobre qualquer risco sistêmico às importações. O governo chinês pediu informações similares. O governo disse que responderia ainda no domingo.

Reguladores dos Estados Unidos, que recentemente começaram a importar carne do Brasil, disseram na sexta-feira que estavam monitorando a situação, mas que inspeções em terminais de importação nos EUA devem prevenir quaisquer riscos à saúde.

Em uma tentativa de reduzir os danos, JBS e BRF lançaram no fim de semana campanhas de relações públicas para deixar claro que não venderam carne estragada.


Fonte: Reuters
Voltar Imprimir
Deixar um comentário
Nome
Comentário
 

Notícias recentes

Após 8 anos livre, Colômbia detecta foco de aftosa 26 de junho de 2017 A Colômbia registrou seu primeiro foco de febre aftosa desde 2009, quando o país foi declarado livre da enfermidade que afeta o gado. O caso pode im...
"A JBS manipula o mercado nos Estados Unidos", diz carta de associação 26 de junho de 2017 “Se as acusações estiverem corretas, então a JBS zombou das leis dos Estados Unidos. Se construiu seu império utilizando meios ilegais, ele ...
Carne brasileira teme novas restrições estrangeiras 26 de junho de 2017 Os próximos dias serão tensos para a cadeia da carne brasileira. O setor torce para que mercados com mais peso, como o Japão e a União Europeia, p...
É improvável que vacina cause abscesso em carne, diz indústria veterinária 26 de junho de 2017 Não é provável que a vacina seja a causa de abscessos encontrados pelo governo dos Estados Unidos na carne brasileira, problema este citado como um...
Carne do Brasil não oferece risco aos EUA, diz governo; vacina em xeque 26 de junho de 2017 Os problemas apontados pelos Estados Unidos em relação à carne brasileira não oferecem risco à saúde pública e há indicações de que os absce...
Pecuaristas gastam até 600 milhões por ano com vacina da aftosa 26 de junho de 2017 Sebastião Guedes, vice-presidente do Conselho Nacional de Pecuária de Corte (CNPC), afirma que o embargue de carne brasileira pelos Estados Unidos, ...
Formação de abscessos pode estar relacionado a problemas de manejo, afirma pecuarista 26 de junho de 2017 A formação de abscessos, principal argumento utilizado pelo governo norte-americano para suspender a importação de carne in natura do Brasil, pode...