Notícias

Mapa melhora qualidade do zoneamento agrícola para a Safra 2017/2018

17 de fevereiro de 2017

As culturas de soja, milho e cana-de-açúcar da safra 2017/2018 terão portarias publicadas no Diário Oficial da União em meados de junho, que passarão a vigorar já com novo formato, com períodos de semeadura indicados conforme o nível de risco (20%, 30% e 40%). É a primeira vez em 20 anos que os resultados são apresentados para todas as culturas em níveis de risco climático mais detalhados, acatando sugestão do TCU (Tribunal de Contas da União).

A novidade permite que os produtores rurais, agentes financeiros, seguradoras e o próprio governo federal incluam as recomendações de plantio de forma mais confiável em suas decisões. Além do percentual de 20%, o menor nível de risco apurado, foram acrescentados pela Secretaria de Política Agrícola do Mapa os níveis de maior risco para o resultado da produção, de 30% e de 40%. Em dezembro do ano passado, essa experiência foi iniciada nos estados do Acre, do Maranhão, do Pará, do Piauí e do Tocantins para a cultura do Milho 2ª safra (Safrinha).

O Zoneamento Agrícola de Risco Climático é um instrumento para auxiliar a gestão de riscos na agricultura. O objetivo é minimizar os riscos relacionados aos fenômenos climáticos adversos, possibilitando ao produtor identificar o melhor período de semeadura das lavouras, nos diferentes tipos de solo e ciclos de cultivares.

Workshop

Aspectos institucionais, operacionais e metodológicos do Zoneamento Agrícola de Risco Climático (Zarc) foram debatidos em workshop realizado nesta semana, em Brasília. “O evento foi positivo, na medida em que definiu o papel das instituições participantes e as prioridades para 2017”, avaliou o diretor do Departamento de Gestão de Riscos do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Vitor Ozaki.

Participaram da reunião, representantes da área econômica do governo, a Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário, órgãos de controle (TCU), mercado segurador, entidades do setor produtivo e instituições de pesquisa.

Ao final, os encaminhamentos, principalmente, as solicitações de novas culturas a serem zoneadas, serão centralizadas na Secretaria de Política Agrícola, que negociará com a Embrapa as condições para a sua execução.

O Ministério da Agricultura é o coordenador nacional do Zarc e contratou a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), desde 2015, para executar o zoneamento.


Fonte: Mapa
Voltar Imprimir
Deixar um comentário
Nome
Comentário
 

Notícias recentes

Blairo nega que Rússia tenha fechado mercado à carne brasileira após restrições 20 de novembro de 2017  O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, negou nesta segunda-feira que a Rússia tenha fechado seu mercado às carnes brasileiras depois de Mosc...
Artigo - Quer trabalhar na roça? Precisa estudar 20 de novembro de 2017 Edson Bolfe Até pouco tempo, jovens filhos de agricultores e pecuaristas ouviam de seus pais que se não estudassem, teriam que trabalhar na ro...
Mercado do boi gordo fecha primeira quinzena de novembro em alta 20 de novembro de 2017 Normalmente, as sextas-feiras são marcadas por lentidão no mercado do boi gordo onde, usualmente, as indústrias aproveitam para testar o mercado of...
PIB de MS tem o melhor desempenho do país em 2015, mostra IBGE 20 de novembro de 2017 O Produto Interno Bruto (PIB) de Mato Grosso do Sul atingiu R$ 83,1 bilhões em 2015, segundo relatório de contas públicas divulgado hoje, pelo Inst...
Drone: evento apresentará tecnologias do agro no dia 22, em Campo Grande 20 de novembro de 2017 Os veículos aéreos não tripulados vieram para revolucionar o agro no país. A aplicabilidade desses equipamentos é tema do evento ‘Drones e ...
Plantio de soja avança e atinge 73% da área em 2017/18 20 de novembro de 2017 O plantio da safra 2017/18 de soja do Brasil avançou 16 pontos porcentuais em uma semana e atingiu 73% da área prevista até quinta-feira (16/11), i...
Sauditas querem importar mais e investir no país 20 de novembro de 2017 Os sauditas têm interesse em aumentar as importações do Brasil, além de carne de aves e de bovinos e grãos, também de ingredientes para alimenta...