Notícias

Mapa melhora qualidade do zoneamento agrícola para a Safra 2017/2018

17 de fevereiro de 2017

As culturas de soja, milho e cana-de-açúcar da safra 2017/2018 terão portarias publicadas no Diário Oficial da União em meados de junho, que passarão a vigorar já com novo formato, com períodos de semeadura indicados conforme o nível de risco (20%, 30% e 40%). É a primeira vez em 20 anos que os resultados são apresentados para todas as culturas em níveis de risco climático mais detalhados, acatando sugestão do TCU (Tribunal de Contas da União).

A novidade permite que os produtores rurais, agentes financeiros, seguradoras e o próprio governo federal incluam as recomendações de plantio de forma mais confiável em suas decisões. Além do percentual de 20%, o menor nível de risco apurado, foram acrescentados pela Secretaria de Política Agrícola do Mapa os níveis de maior risco para o resultado da produção, de 30% e de 40%. Em dezembro do ano passado, essa experiência foi iniciada nos estados do Acre, do Maranhão, do Pará, do Piauí e do Tocantins para a cultura do Milho 2ª safra (Safrinha).

O Zoneamento Agrícola de Risco Climático é um instrumento para auxiliar a gestão de riscos na agricultura. O objetivo é minimizar os riscos relacionados aos fenômenos climáticos adversos, possibilitando ao produtor identificar o melhor período de semeadura das lavouras, nos diferentes tipos de solo e ciclos de cultivares.

Workshop

Aspectos institucionais, operacionais e metodológicos do Zoneamento Agrícola de Risco Climático (Zarc) foram debatidos em workshop realizado nesta semana, em Brasília. “O evento foi positivo, na medida em que definiu o papel das instituições participantes e as prioridades para 2017”, avaliou o diretor do Departamento de Gestão de Riscos do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Vitor Ozaki.

Participaram da reunião, representantes da área econômica do governo, a Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário, órgãos de controle (TCU), mercado segurador, entidades do setor produtivo e instituições de pesquisa.

Ao final, os encaminhamentos, principalmente, as solicitações de novas culturas a serem zoneadas, serão centralizadas na Secretaria de Política Agrícola, que negociará com a Embrapa as condições para a sua execução.

O Ministério da Agricultura é o coordenador nacional do Zarc e contratou a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), desde 2015, para executar o zoneamento.


Fonte: Mapa
Voltar Imprimir
Deixar um comentário
Nome
Comentário
 

Notícias recentes

MST invade fazenda do ministro da Agricultura, Blairo Maggi 25 de julho de 2017 Cerca de mil famílias que integram o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) invadiram na madrugada desta terça-feira, 25, a fazenda do m...
Demarcação indígena: novas regras podem gerar mais conflito? 25 de julho de 2017 Parecer da Advocacia Geral da União sobre demarcação de terras indígenas assinado na última semana por Michel Temer deve gerar a revisão e a par...
Barreiras comerciais persistem entre países do Mercosul 25 de julho de 2017 Em vias de enfrentar um choque de modernidade pelo acordo com a União Europeia, os quatro países-membros do Mercosul ainda impõem uma série de bar...
Funrural volta a ser discutido entre 1 e 2 de agosto no Senado Federal 25 de julho de 2017 As discussões em torno da volta da cobrança do Funrural continuam, tal qual os esforços de lideranças do setor para amenizar a a decisão do Supre...
Alteração de vacina contra febre aftosa está em avaliação, diz Ministério da Agricultura 25 de julho de 2017 Uma alteração na composição da vacina contra a febre aftosa, que tem sido vista como provável vilã na suspensão de importações de carne brasi...
Boi: Queda nos preços de forrageiras favorece reforma de pastagem 25 de julho de 2017 Após preços recordes em 2016, a oferta de sementes forrageiras deve ser maior neste ano. De acordo com colaboradores do Cepea, a produção em 2017 ...
Carne bovina cai no atacado, mas margem da indústria se mantém elevada 24 de julho de 2017 O preço médio da carne bovina vendida pelos frigoríficos de São Paulo, em valores nominais, é o menor desde a última semana de agosto de 2016. O...