Notícias

Índia deve ser a nova China para o agronegócio nos próximos anos

16 de fevereiro de 2017

Em dez anos, a Índia se tornará para o agronegócio o que a China é hoje. Foi o que destacou o economista e palestrante Ricardo Amorim, nesta segunda-­feira (13), durante o primeiro dia do “Simpósio Internacional de Vitaminas e Tecnologias”, organizado pela empresa DSM, em Guarulhos (SP). Para dar suporte ao seu raciocínio, Amorim usou como argumento o fenômeno de um novo crescimento da classe média mundial, principalmente nos países emergentes. Segundo ele, a expansão da classe média acarreta diretamente em maior consumo de carnes, de proteína animal.

De acordo com Amorim, o papel da Índia como grande consumidor de produtos agrícolas será puxado pelo aumento de renda da população. “Hoje, a renda média do cidadão indiano é um quinto da renda do chinês”, disse. Amorim pontuou que, em um prazo de uma década, quando a China tiver consolidado seu salto de consumo, será a vez de a Índia carrear a demanda. “Ou seja, teremos aí mais uns 30 anos de forte demanda, sem contar outros países asiáticos.” Segundo ele, a Índia – mesmo com renda média inferior à da China – já mexe, por exemplo, com o mercado de açúcar. “Por quê? Porque se trata da fonte de energia mais barata que existe”, pontuou, ressaltando que “a importância do agronegócio na economia mundial será cada vez mais crescente”.

Agregar valor

Na avaliação de Amorim, para abocanhar mais mercados consumidores agrícolas, o Brasil tem que investir na agregação de valor da produção, processo que trará mais receita. “Temos, por exemplo, que transformar grãos em carnes, e assim por diante.” O palestrante chamou atenção para o fato de que a carga tributária que incide sobre os produtos industrializados é muito maior do que sobre as commodities, o que dificulta a verticalização das cadeias produtivas pelo agronegócio brasileiro. “E quanto mais básico o produto, mais peso tem a infraestrutura logística no seu preço, o que nosso caso é negativo, em razão da deficiência do Brasil neste aspecto.”

Em sua exposição, Amorim destacou, ainda, que os preços das commodities em reais estão em níveis elevados, e que este é um dos fatores que endereça certa valorização nos preços das terras agrícolas. No tocante ao cenário macroeconômico, ele acentuou que o Brasil está na antessala de uma virada de ciclo, com os investimentos retornando para o País. “O BC vai acelerar o corte da taxa de juros e o dólar apresenta uma ligeira tendência de queda pelo fluxo de capital que está entrando e que deve ingressar no País.”


Fonte: InfoMoney
Voltar Imprimir
Deixar um comentário
Nome
Comentário
 

Notícias recentes

Produtividade da soja em MS pode atingir 70 sacas por hectare em algumas regiões 20 de fevereiro de 2017 Mesmo com o clima afetando a colheita da soja, o rendimento do grão em algumas localidades de Mato Grosso do Sul pode chegar a 70 sacas por hectare, ...
BC deve manter ritmo e cortar Selic em 0,75 p.p. nesta semana, com inflação mais baixa 20 de fevereiro de 2017 O Banco Central deve manter o ritmo e reduzir a taxa básica de juros em 0,75 ponto percentual nesta semana, de acordo com economistas consultados na ...
Venda de terras para investidores estrangeiros será definida em março 20 de fevereiro de 2017 Projeto de lei para liberar a venda de terras do País para empresas e investidores estrangeiros deve seguir para aprovação do Congresso Nacional j...
Brasil poderá adotar compartimentação para suínos 20 de fevereiro de 2017 O Brasil poderá adotar pela primeira vez, a compartimentação de suínos, para que sejam considerados livres de febre aftosa sem vacinação e da pe...
Boi gordo: Recuo da referência para o boi gordo em São Paulo 20 de fevereiro de 2017 A pressão de baixa continua no mercado do boi gordo, embora mais comedida nas últimas semanas. Mesmo sem excesso de oferta, devido à recusa de pecu...
Suíno vivo: Cotação do animal vivo sobe e eleva preço da carne 20 de fevereiro de 2017 Os preços do suíno vivo no mercado independente seguem em forte alta nesta semana. As valorizações são atípicas para o período e motivadas pela...
Frango vivo: Demanda reage e preços fecham semana em alta 20 de fevereiro de 2017 As cotações do frango vivo encerraram a semana com altas na maioria das praças de comercialização. A melhora na demanda interna enxugou os estoqu...