Notícias

Índia deve ser a nova China para o agronegócio nos próximos anos

16 de fevereiro de 2017

Em dez anos, a Índia se tornará para o agronegócio o que a China é hoje. Foi o que destacou o economista e palestrante Ricardo Amorim, nesta segunda-­feira (13), durante o primeiro dia do “Simpósio Internacional de Vitaminas e Tecnologias”, organizado pela empresa DSM, em Guarulhos (SP). Para dar suporte ao seu raciocínio, Amorim usou como argumento o fenômeno de um novo crescimento da classe média mundial, principalmente nos países emergentes. Segundo ele, a expansão da classe média acarreta diretamente em maior consumo de carnes, de proteína animal.

De acordo com Amorim, o papel da Índia como grande consumidor de produtos agrícolas será puxado pelo aumento de renda da população. “Hoje, a renda média do cidadão indiano é um quinto da renda do chinês”, disse. Amorim pontuou que, em um prazo de uma década, quando a China tiver consolidado seu salto de consumo, será a vez de a Índia carrear a demanda. “Ou seja, teremos aí mais uns 30 anos de forte demanda, sem contar outros países asiáticos.” Segundo ele, a Índia – mesmo com renda média inferior à da China – já mexe, por exemplo, com o mercado de açúcar. “Por quê? Porque se trata da fonte de energia mais barata que existe”, pontuou, ressaltando que “a importância do agronegócio na economia mundial será cada vez mais crescente”.

Agregar valor

Na avaliação de Amorim, para abocanhar mais mercados consumidores agrícolas, o Brasil tem que investir na agregação de valor da produção, processo que trará mais receita. “Temos, por exemplo, que transformar grãos em carnes, e assim por diante.” O palestrante chamou atenção para o fato de que a carga tributária que incide sobre os produtos industrializados é muito maior do que sobre as commodities, o que dificulta a verticalização das cadeias produtivas pelo agronegócio brasileiro. “E quanto mais básico o produto, mais peso tem a infraestrutura logística no seu preço, o que nosso caso é negativo, em razão da deficiência do Brasil neste aspecto.”

Em sua exposição, Amorim destacou, ainda, que os preços das commodities em reais estão em níveis elevados, e que este é um dos fatores que endereça certa valorização nos preços das terras agrícolas. No tocante ao cenário macroeconômico, ele acentuou que o Brasil está na antessala de uma virada de ciclo, com os investimentos retornando para o País. “O BC vai acelerar o corte da taxa de juros e o dólar apresenta uma ligeira tendência de queda pelo fluxo de capital que está entrando e que deve ingressar no País.”


Fonte: InfoMoney
Voltar Imprimir
Deixar um comentário
Nome
Comentário
 

Notícias recentes

Pecuaristas de Barretos (SP) vendem gado vivo para a Turquia 23 de janeiro de 2018 Criadores de gado estão encontrando um bom filão de negócios no mercado turco. Os animais são exportados vivos. Para isso, é preciso seguir uma s...
Queda no mercado atacadista estreita a margem dos frigoríficos 23 de janeiro de 2018 A demanda fraca desde o início do ano se intensificou ao longo da última semana e o reflexo disso foi mais pressão sobre a cotação da arroba do b...
Mapa autoriza redução da dose da vacina contra aftosa 23 de janeiro de 2018 A Instrução Normativa nº 11 do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), publicada no Diário Oficial desta segunda-feira (...
JBS: pecuarista será restituído da diferença de Funrural de janeiro 22 de janeiro de 2018 A JBS informou nesta segunda-feira, 22, que vai restituir pecuaristas que tiveram seus animais abatidos pela empresa no período do primeiro dia útil...
Carne bovina: vendas fracas no varejo e mercado pressionado 22 de janeiro de 2018 A situação é de vendas ruins, embora os movimentos de baixa sejam menos intensos no varejo do que no atacado, como já vinha ocorrendo em 2017.A co...
Frigoríficos testando o mercado 22 de janeiro de 2018 No fechamento da última sexta-feira (19/1) o cenário foi de um viés baixista. Das trinta e duas praças pecuárias pesquisadas pela Scot Consultori...
Com maior oferta, preço do milho recua na maioria das regiões 22 de janeiro de 2018 A maior disponibilidade interna tem pressionado os valores do milho em muitas regiões acompanhadas pelo Cepea nos últimos dias. A queda está atrela...