Notícias

Índia deve ser a nova China para o agronegócio nos próximos anos

16 de fevereiro de 2017

Em dez anos, a Índia se tornará para o agronegócio o que a China é hoje. Foi o que destacou o economista e palestrante Ricardo Amorim, nesta segunda-­feira (13), durante o primeiro dia do “Simpósio Internacional de Vitaminas e Tecnologias”, organizado pela empresa DSM, em Guarulhos (SP). Para dar suporte ao seu raciocínio, Amorim usou como argumento o fenômeno de um novo crescimento da classe média mundial, principalmente nos países emergentes. Segundo ele, a expansão da classe média acarreta diretamente em maior consumo de carnes, de proteína animal.

De acordo com Amorim, o papel da Índia como grande consumidor de produtos agrícolas será puxado pelo aumento de renda da população. “Hoje, a renda média do cidadão indiano é um quinto da renda do chinês”, disse. Amorim pontuou que, em um prazo de uma década, quando a China tiver consolidado seu salto de consumo, será a vez de a Índia carrear a demanda. “Ou seja, teremos aí mais uns 30 anos de forte demanda, sem contar outros países asiáticos.” Segundo ele, a Índia – mesmo com renda média inferior à da China – já mexe, por exemplo, com o mercado de açúcar. “Por quê? Porque se trata da fonte de energia mais barata que existe”, pontuou, ressaltando que “a importância do agronegócio na economia mundial será cada vez mais crescente”.

Agregar valor

Na avaliação de Amorim, para abocanhar mais mercados consumidores agrícolas, o Brasil tem que investir na agregação de valor da produção, processo que trará mais receita. “Temos, por exemplo, que transformar grãos em carnes, e assim por diante.” O palestrante chamou atenção para o fato de que a carga tributária que incide sobre os produtos industrializados é muito maior do que sobre as commodities, o que dificulta a verticalização das cadeias produtivas pelo agronegócio brasileiro. “E quanto mais básico o produto, mais peso tem a infraestrutura logística no seu preço, o que nosso caso é negativo, em razão da deficiência do Brasil neste aspecto.”

Em sua exposição, Amorim destacou, ainda, que os preços das commodities em reais estão em níveis elevados, e que este é um dos fatores que endereça certa valorização nos preços das terras agrícolas. No tocante ao cenário macroeconômico, ele acentuou que o Brasil está na antessala de uma virada de ciclo, com os investimentos retornando para o País. “O BC vai acelerar o corte da taxa de juros e o dólar apresenta uma ligeira tendência de queda pelo fluxo de capital que está entrando e que deve ingressar no País.”


Fonte: InfoMoney
Voltar Imprimir
Deixar um comentário
Nome
Comentário
 

Notícias recentes

Pagamentos acima da referência são comuns no mercado do boi gordo 17 de agosto de 2017 Mercado em alta em todo o país.É a oferta curta que dita o ritmo. São os animais de cocho que garantem a maior parte da escala das indústrias. Ani...
Em MS 70% do milho 2ª safra já foi colhido 17 de agosto de 2017 Em Mato Grosso do Sul, 70% do milho da 2ª safra 2016/2017 já foi colhido, de acordo com a Circular Técnica nº 222, do Siga MS (Sistema de ...
Boi: Preço da arroba aumenta em todo o país 17 de agosto de 2017 As cotações da arroba do boi gordo estão em alta em todas as regiões acompanhadas pelo Cepea. Segundo pesquisadores do Cepea, as valorizações es...
Multas ambientais serão pagas com serviços e compra de cotas 17 de agosto de 2017 O Programa de Regularização Ambiental (PRA) deve ser autodeclaratório e as multas serão convertidas em serviços ambientais. Essas novidades foram...
Mato Grosso do Sul recebe Rally da Pecuária 16 de agosto de 2017 A Equipe 7 do Rally da Pecuária 2017 está no Mato Grosso do Sul na última semana da expedição para avaliar a produtividade do pecuarista sul-mato...
Preços do boi gordo continuam subindo no Brasil e tendência de alta é consistente 16 de agosto de 2017 Lygia Pimentel, consultora da Agrifatto, destaca que, no mercado do boi gordo, as escalas estão em processo de encurtamento, tendo em vista que há u...
Embaladas pelo mercado do boi gordo, as negociações começam a esquentar no mercado de reposição 16 de agosto de 2017 Com o cenário de firmeza no mercado do boi gordo, a procura de animais para reposição começa a aumentar.É fato que as negociações ainda ocorrem...