Colunistas

Jonatan Pereira Barbosa

Palavra do Presidente

Presidente da Acrissul (Associação dos Criadores de Mato Grosso do Sul)

Agronegócio cresce e aparece

Segunda, 24 de outubro de 2016 às 13h02

O agronegócio brasileiro não para de surpreender. Apesar das turbulências vividas pelo País, que afetaram o mercado consumidor interno, o crescimento das exportações de grãos e carnes compensam as perdas no mercado doméstico, além de alcançar mercados consumidores altamente exigentes e que remuneram melhor.

A ampliação de mercados neste ano, principalmente nos setores das carnes, colocam o Brasil com um dos principais exportadores de proteína animal do mundo. A  confiança no “brazilian beef”, produzido a partir do boi a pasto, é tamanha que até mesmo o hermético mercado norte-americano rendeu-se à qualidade da carne brasileira, passando a receber desde o mês passado uma cota considerável de carne bovina in natura.

A abertura do mercado dos EUA ao produto brasileiro é um passaporte para o ingresso da nossa carne em qualquer e exigente destino internacional.  A própria JBS avalia que em 2017 os Estados Unidos estarão entre os cinco principais destinos de carne bovina brasileira devido à competitividade do produto nacional.

A reboque desta importante parceria, outros países como Turquia, Japão, Coreia do Sul, Rússia, China, Índia, Vietnã, Coreia do Sul, Myanmar, Tailândia e Malásia já se posicionaram no sentido de ampliar seus negócios com o Brasil, visando a importação de proteína animal.

O Brasil poderá receber 15 missões veterinárias de vários países, até o final do ano, para inspeção sanitária em estabelecimentos registrados junto ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Quatro delas já estão confirmadas: duas do Chile (para carne bovina e farinha de carne e osso); uma de Cuba (para carnes suína e de aves) e uma da Bolívia (para carnes de aves, bovina e suína).

Além disso, ainda, um espetacular mercado de genética bovina vem sendo conquistado pelos pecuaristas brasileiros, com a Bolívia, Uruguai e, mais recentemente Israel, que podem importar bovinos vivos ou sêmen do Brasil.

Soja e milho foram as lavouras que mais impulsionaram a agricultura brasileira em 2015, criando um clima de otimismo para a safra 2016-2017, que deve ficar entre 210 e 214 milhões de toneladas, já anunciou a Conab, o que deve representar um crescimento de 15% face à safra anterior.

E como as boas notícias não param por aí, o Ministério da Agricultura acaba de anunciar que o Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP) de 2016 chegará a R$ 518,1 bilhões. Na série iniciada em 1989, esse é o terceiro melhor resultado.

E é nesse clima que vamos promover a Expogrande 2017, de 30 de março a 9 de abril.

Bons negócios a todos.
 

Voltar Imprimir


Cotações de 27/04 - MS

R$ 129,00 Boi gordo
R$ 118,00 Vaca gorda
R$ 1092,47 Bezerro à vista